quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Parece que afinal há mais violência na Praxe

Se a declaração do ministro foi importante por alguma razão, talvez tenha sido esta. Impelidos por esta oportunidade, parece que há mais gente com vontade de denunciar as práticas violentas, física ou psicologicamente, a que foi submetida. Vamos ver no que isto dá e que mais podres vamos descobrir da Virgem Praxe.

Notícia do Público, 27.Out.09
Mariano Gago envia quatro queixas de praxe para PGR
Por Bárbara Wong
O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recebeu cinco queixas de praxes que alegadamente terão tido gravidade. Destas, quatro foram enviadas para a Procuradoria-Geral da República, informa o gabinete de imprensa do ministro. Sobre a quinta participação "foram pedidos mais elementos".

Há cerca de um mês, o ministro anunciou, numa carta enviada às instituições de ensino superior, que faria denúncia ao Ministério Público sempre que surgisse uma "notícia de práticas de ilícitos graves nas praxes". Na altura, o ministro avisava que poderia "responsabilizar civil e criminalmente" as escolas ou as associações académicas pelos excessos.

Este ano, a Universidade Lusíada foi condenada a pagar 90 mil euros à família de um jovem morto em 2001 na sequência de uma praxe, o Instituto Piaget foi condenado a pagar 36 mil euros a uma jovem vítima de praxe e seis ex-alunos da Escola Agrária de Santarém foram condenados por co-autoria de um crime de ofensas à integridade física qualificada.

15 comentários:

WB disse...

No caso da lusíada, parece-me descabido que seja a instituiçãoa pagar por algo que não está na sua estrita esfera.
Não se apuraram culpado, de facto, mas isento-me de extrapolar e interpretar, como tanto acéfalo faz, porque desconheço o conteúdo do processo (eu, e todos os que o não leram de fio a pavio).

Quanto ao resto, acho muito bem que se punam os prevaricadores.
Afinal, cometeram actos que nada têm de praxe. Assim se fizesse sempre para limpar quem, em nome da praxe, comete abusos que nada dignificam.

Mas não sou tolhido a ponto de dizer que a Praxe é culpada. A inquisição não foi defendida por Cristo e deve ser imputada à igreja da época e nunca à religião em si.

Bastian disse...

O facto de terem sido enviadas quatro queixas para a Procuradoria Geral da Républica só demonstra que há gente descontente com as praxes, ao contrário daqueles que as defendem e que são apenas pessoas que sejam do M.A.T.A ou simpatizantes que discutem a validade das mesmas.

Foram apenas quatro, mas atendendo a que as duas que vêm mencionadas no artigo resultaram em indemnizações que somam 126 mil euros para duas instituições... independentemente das mesmas disporem de fundos para as pagarem, a continuar assim não se admirem de haver mais instituições a começarem a tomar medidas preventivas para não terem de se sujeitar a novos pagamentos à conta dos alunos.

Anónimo disse...

Todavia ainda há e haverá quem as defenda, a cara descoberta!...

Público, 1.Nov.2009

http://publico.pt/Educa%C3%A7%C3%A3o/veteranos-de-coimbra-rejeitam-praxes-que-ultrapassem-os-limites_1407762

A.A.
anti-praxe.blogs.sapo.pt

Nuno Thyrs disse...

"Este ano, a Universidade Lusíada foi condenada a pagar 90 mil euros à família de um jovem morto em 2001 na sequência de uma praxe," - não continuem com esta mentira por favor. Como querem ter alguma credibilidade se continuam a afirmar algo que não está provado, e que vocês como já se viu não conhecem sequer. Que não gostem de praxes eu não posso contrariar, agora continuar com esta mentira? Façam o favor de rever quem escreve os textos, porque são acusações muito graves as que vocês deixam nas notícias, pior ainda quando são TOTALMENTE FALSAS.

ser.r.alves disse...

Nuno Thyrs, apesar de não te agradar, esse foi o resultado do julgamento da Lusíada. Dizem-no as notícias e di-lo o acórdão do tribunal de Famalicão. Se quiseres podemos enviar-to.

Nuno Thyrs disse...

ser.r.alves espero por ele há muito tempo, publiquem-no já o pedi várias vezes...para eu ver onde diz: "a Universidade Lusíada foi condenada a pagar 90 mil euros à família de um jovem morto em 2001 na sequência de uma praxe"... já pedi tantas vezes, se o tivessem e dissesse isso estaria publicado há muito tempo...
O que diz é que a Universidade Lusíada foi condenada a pagar porque um aluno faleceu dentro das suas instalações (o que também é mentira uma vez que ele faleceu uma semana depois)... De qualquer forma queria ver esse acordão.

As notícias que sairam em todos os jornais, tiveram como fonte a Agência Lusa que teve como fonte adivinha lá?? Claro que sim, o M.A.T.A. Mas tu isto também já sabias. Põem a correr uma notícia, e depois dão-se ao luxo de dizer "é o que dizem as notícias".

Fico à espera da publicação do acordão...é público e já que vocês o têm poderiam fazer um favor a todos e publicá-lo, mas na íntegra.

Obrigado

Nuno Thyrs disse...

Nos meus outros comentários as respostas costumam ser imediatas... não tenho direito pelo menos a uma satisfação neste último? Então o acordão? Sai ou não? Tanto alarido e nada?
E quanto à fonte das notícias? Porque não desmentem o que disse relativamente a ter sido o MATA quem enviou um comunicado à Agência Lusa com aquilo que depois foi difundido pela maioria dos meios de comunicação social?

Fico à espera da transcrição do acordão na íntegra e não de excertos descontextualizados pelo menos.

ser.r.alves disse...

A transcrição do acórdão na íntegra vai ser impossível, pois o pdf que temos não está em texto, está em imagem, o que nos obrigaria a passar à mão mais de 20 páginas de texto.
Mas está descansado estou a fazer uma recolha de excertos e vou contextualizá-los. Mas isso vai demorar o seu tempo.
Quanto à acusação que fazes é fácil esclarecer-te. Nós só soubemos do resultado do julgamento através dos media. Estes obviamente contactaram-nos a pedir declarações e como tu sabes contextualizaram-nos como quiseram.
Normalmente, ou na melhor das hipóteses, botam duas ou três declarações de um de nós numa notícia curta e pouco informativa.
Mas é assim a vida...

Nuno Thyrs disse...

Não precisam de copiar as 20 páginas, basta que publiquem a parte em que diz o que afirmam na notícia. Uma dica, ponham a imagem da página em que está isso escrito, e marquem para que se veja.(vocês conseguem publicar vídeos concerteza que unma imagem será ainda mais fácil).
Estou a estranhar o tempo que demoram para esclarecer um caso em que eu vos acusei de estar a faltar à verdade, quando basta uma transcrição ou publicação de uma foto.

ser.r.alves disse...

Aqui já terás alguns esclarecimentos (fizeste vários comentários a este post,não o leste?):
http://blogdomata.blogspot.com/2009/09/cominucado-de-imprensa-sobre-decisao-do.html

Nuno Thyrs disse...

ser.r.alves, não sei se para ganhares tempo, ou se para me tentar demover de te voltar a fazer a pergunta, enviaste-me para uma página com considerações feitas pelo M.A.T.A. e não onde esteja transcrito o acordão onde tu dizes que ficou provado que "a Universidade Lusíada foi condenada a pagar 90 mil euros à família de um jovem morto em 2001 na sequência de uma praxe"

Eu li muito bem o que estava lá escrito, e critiquei logo no momento...

""O Tribunal considerou provado que “Nunca a ré (universidade) teve algum controlo efectivo sobre esse tipo de praxes violentas e humilhantes. Não temos notícia que alguma vez tenha proibido a violência mencionada, aliás os factos apurados mostram a ausência de intervenção”, tendo ainda acrescentado que "Existe uma clara interdependência” com a ULF “que lhe cede espaço, subsidio e publicidade, em troca de evidente publicidade e charme académico que esse tipo de grupos traz à sua academia”.""

Ora então ajuda-me a descobrir onde diz o que tu afirmas como sendo verdade...

Ah e encontrei outra coisa interessante (que não fui eu que escrevi) relativamente ao processo arquivado por falta de provas (que tu afirmas existirem): ""Contudo, o processo foi arquivado em 2004 por falta de provas, uma vez que seria “impossível imputar à acção de qualquer pessoa concreta a produção das lesões”.""

Fico à espera dos teus esclarecimentos...

Nuno Thyrs disse...

Dois dias depois da minha última resposta...e tal como eu previa, nada.
ser.r.alves faz um printscreen da página e publica-o, não precisas de estar a copiar tudo...Mesmo porque prefiro ver o documento em vez de algo transcrito como deves imaginar.

ser.r.alves disse...

http://blogdomata.blogspot.com/2009/11/ainda-sobre-decisao-do-tribunal-no-caso.html

Bastian disse...

É necessário ser-se francamente cretino para, depois de ler o que vai no acordão, pensar que o que se passou foi outra coisa que não homícidio.

É claro... a quem interessa há que negar. Negar sempre! (e sim Thyrs, estou a falar de ti, e de todos quantos vieram defender a mesma bodega).

Até porque da mesma forma que o ser.r.alves acedeu ao acordão, provavelmente qualquer outro o pode fazer, mas se estás tão convicto de que o adulterou de alguma forma, esclarece-nos.
Porque se vais estar a culpar alguém de estar a adulterar um documento e, difamar a tuna e a Universidade (porque está explícito que a violência decorreu da praxe e que a universidade nada fez para a controlar), então fá-lo.

É natural aos olhos de qualquer pessoa que independentemente de estares a par ou não do que tenha acontecido aquando da morte do Diogo, que estás a defender as pessoas que foram responsáveis e a testemunharam.

Fazê-lo depois do tribunal e da autópsia ter esclarecido a origem da morte do vosso colega é no mínimo dos mínimos de mau gosto e francamente pouco inteligente.

Talvez já seja boa altura de saíres daqui. E o Komuna. E outros. Porque não me parece que a opinião dos outros vá divergir muito da minha: que vocês sabem ou pelo menos defendem colegas que foram claramente os autores do homícidio do Diogo.

Nuno Thyrs disse...

Bastian obrigado pelos teus insultos. Eu não me calarei enquanto não me apetecer. A minha análise/resposta está nos comentários onde foi "transcrito" o acordão.

Ah e já agora lê o acordão em condições.