domingo, 27 de setembro de 2009

Comunicado de imprensa sobre decisão do Tribunal no caso da morte de Diogo Macedo

Tribunal considera Direcção de Universidade responsável pelos acontecimentos em torno da morte de Diogo Macedo

Ontem o Tribunal Cível de Famalicão reconheceu a responsabilidade da Universidade Lusíada de Famalicão nos acontecimentos em torno da morte de Diogo Macedo.

Em Outubro de 2001 Diogo Macedo, estudante do 4º ano de Arquitectura e membro da tuna, morreu devido a lesões cérebro-medulares, após acontecimentos ainda por esclarecer na noite em que aparentemente tinha decidido abandonar a tuna por não suportar mais as praxes a que era submetido. Inicialmente a morte tinha sido considerada acidental, mas as suspeitas de um médico do Hospital de S. João fizeram com que mais averiguações fossem efectuadas, tendo a autópsia demonstrado múltiplas escoriações corporais, além da fractura de uma vértebra cervical contraída por agressão e que teria sido a causa da morte.

Na sequência destes factos, dois elementos da tuna foram constituídos arguidos. Contudo, o processo foi arquivado em 2004 por falta de provas, uma vez que seria “impossível imputar à acção de qualquer pessoa concreta a produção das lesões”. Inexplicavelmente, apesar de estarem perto de 20 pessoas nas mesmas instalações que Diogo, nenhuma destas se recordava dos acontecimentos. Após a morte reuniram-se de urgência para alegadamente gizar versões, oportunamente criando uma amnésia colectiva que se apoderou dos “amigos” e “colegas” de Diogo, impedindo-os de fornecerem qualquer pormenor. Numa sessão de tribunal em que as testemunhas estavam a ser ouvidas, o próprio juiz reconheceu o "muro de silêncio" que tinha sido criado. Uma única versão conjunta de nada.

Depois do processo-crime, segue-se o processo cível. A mãe de Diogo Macedo pede uma indemnização de 210 mil euros à Fundação Minerva, que detém a Universidade Lusíada. O tribunal deu como provada a morte, em consequência de lesões provocadas. Este e outros dados levaram o Tribunal Cível de Famalicão a dar como provada a morte do estudante, em consequência de uma pancada, alegadamente, desferida durante a praxe. Estamos agora em Junho de 2009, oito anos após a morte de Diogo Macedo.

Ontem assistimos a uma decisão semelhante à de outros Tribunais relativamente a casos de praxe, numa tendência crescente de responsabilização das faculdades sobre as praxes que nelas se passam. O Tribunal de Vila Nova de Famalicão considerou que a Universidade Lusíada de Famalicão (ULF), não controlou nem evitou as praxes académicas, sendo obrigada a pagar uma indemnização de 90 mil euros à família de Diogo. O Tribunal considerou provado que “Nunca a ré (universidade) teve algum controlo efectivo sobre esse tipo de praxes violentas e humilhantes. Não temos notícia que alguma vez tenha proibido a violência mencionada, aliás os factos apurados mostram a ausência de intervenção”, tendo ainda acrescentado que "Existe uma clara interdependência” com a ULF “que lhe cede espaço, subsidio e publicidade, em troca de evidente publicidade e charme académico que esse tipo de grupos traz à sua academia”.

Este caso merece várias considerações:

- Estranhamente, apenas 3 anos depois da morte de Diogo Macedo os acontecimentos foram tornados públicos, em grande parte devido a uma Grande Reportagem da autoria de Felicia Cabrita. Esta jornalista, numa semana de investigação no local, descobriu mais do que as polícias em três anos – isto, apesar da direcção da Lusíada ter ameaçado de expulsão qualquer aluno que lhe prestasse declarações! Por outro lado, os relatos da mãe deixam claro que a escola sempre soube o que aconteceu; inclusivamente, tentou sempre silenciar as suas tentativas para descobrir as causas da morte do seu filho. Ao que parece, o poder da Universidade Lusíada conseguiu silenciar as vozes que poderiam esclarecer as circunstâncias em que este aluno morreu.

- Nesta tuna (e em todas as outras tunas universitárias), a democracia é inexistente, assim como as regras básicas de respeito pela expressão individual. O relacionamento é totalmente condicionado por uma hierarquia absolutamente rígida. Quem as integra obedece a uma autêntica estrutura de castas com claro prejuízo para quem está "mais abaixo" na cadeia. Este era o caso do Diogo, que apesar de já a integrar há 4 anos continuava a ser "caloiro" e alvo de animosidade, a qual esteve na origem da sua decisão de abandonar o grupo.

- À semelhança do que se passa noutras instituições do Ensino Superior, é evidente a conivência entre Direcções e grupos de estudantes que têm como base a hierarquização, submissão e proliferação de comportamentos repressores e inerentemente violentos. Isto exige uma reflexão por parte da Sociedade e das Instituições sobre aquilo que são e sobre o que pretendem oferecer aos seus alunos. Não podemos perpetuar estas "tradições" imaginárias que se apoderaram do vazio cultural e intelectual que tem caracterizado as escolas nestes últimos anos.

- Este caso extravasa os contornos praxísticos, a gravidade é a de um homicídio. Homicídio que ocorreu no contexto da praxe, numa tuna, entre estudantes, nas instalações de uma Faculdade do Ensino Superior. Estes factos obrigam-nos a pensar na arbitrariedade da "tradição". A "tradição" não pode cobrir de impunidade actos como este, os muros têm de ser derrubados e permitir que a verdade venha ao de cima.

27 de Setembro de 2009

M.A.T.A. - Movimento Anti-"Tradição Académica"


Notícias:

A Bola: Universidade vai pagar indemnização por morte durante praxe
Correio da Manhã: Lusíada condenada por morte
Diário de Notícias:
Aluno morto há 8 anos em praxe por pancada com revista
Esquerda.net: Praxe: Univ. Lusíada condenada em tribunal
i: Tribunal acusa: Universidade Lusíada não evitou praxe mortal
Jornal de Notícias
: Universidade paga indemnização por morte de aluno em praxe
Público: Condenação da Universidade Lusíada leva MATA a pedir reflexão sobre praxes


Blogues:

Frenesi (Paulo da Costa Domingos): «Bom dia, Segue o comunicado...»
Jugular (Maria João Pires): Comunicado do M.A.T.A.
Pimenta Negra (Viriato): Tribunal condena Universidade Lusíada ( comunicado do Movimento anti-tradição académica)

287 comentários:

«O mais antigo   ‹Mais antiga   1 – 200 de 287   Mais recente›   Mais recente»
Bastian disse...

Vinte pessoas na mesma sala e ninguem se recorda de ver o colega morrer com multiplas escoriacoes?

Que bonito que e o espirito academico...

Ana Silva disse...

E o pior e que as praxes vao continuar a existir...

Ja houve o caso de dois alunos de Medicina que em Coimbra foram alvos de violencia fisica ao ponto de terem rapado os pelos pubicos e rompido o escroto de um, de diversas nodoas negras em ambos:

Agora temos a morte de um estudante de Arquitectura na Lusiada de Vila Nova de Famalicao

E nao venham com a merda de que so e praxado quem quer, porque na minha Universidade e na do Algarve, por exemplo, o documento sobre as praxes explicita que quem nao quiser participar e livre de o fazer... mas fica excluido de outras actividades academicas.

E claro, face a este tipo de coaccao o caloiro sente o dever de participar.

Eu nao estou a dizer que as praxes correm sempre mal, mas o facto e que a coaccao existe em muitas universidades aquando da praxe e ja houveram acidentes graves a proposito das mesmas, tal como a morte deste aluno vem provar.

Vale mesmo a pena mante-las se e para isto acontecer de novo?

E nojento que pessoas que se digam colegas e amigos do rapaz que morreu se tenham calado.

Filipe disse...

Todo este caso é típico em Portugal, as empresas comportam-se como autenticas tunas e o governo comporta-se como a universidade neste caso.
Os elementos da tuna, depois de verem a merda que fizeram, comportaram-se como um grupo e fizeram de conta que não foi nada com eles, assim sendo a universidade ficou com a batata quente.
Como é previsível, a Universidade mexeu-se na Opus Dei e Maçonaria para silenciar quem falou demais, neste caso o médico, e para tentar acabar com o caso em 2004. Como a poeira foi de novo levantada e para não prolongar mais o caso, parece-me óbvio que aceitou esta condenação como um "mal menor", a todo o custo para acabar com isto o mais rapidamente possível.

Anónimo disse...

Eu recusava-me a frequentar uma Lusiada, especialmente a de Vila Nova de Famalicao depois de um episodio destes e insistiria para alguem que para la fosse pensasse duas vezes.

Mas claro... a Lusiada e uma particular, e como os meninos e meninas dos papas que a frequentam vem, uma boa parte, de familias com dinheiro e quem sabe que outro tipo de poder alem do economico, e facil comprar-se o silencio e torcer a justica a favor de um bando de putos estupidos que deviam ser condenados, ainda que em segundo grau, pelo homicidio do colega.

Que gente de merd@...

Anónimo disse...

Isto não se faz a ninguém. E não se faz sobretudo a uma mãe, matar-lhe um filho.
Canalhas!

A Grande Reportagem de Felícia Cabrita (em 2004), é um verdadeiro murro no estômago.

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=149242

O jornal "i-online" noticia que o médico que denunciou o caso se "suicidou". A ter sido assim, e sem outros esclarecimentos, isso é de uma extrema gravidade. E porquê um silêncio sepulcral em torno destes acontecimentos?

http://www.ionline.pt/conteudo/24829-praxe-lusiada-tem-pagar-90-mil-euros--familia-aluno-morto

Não está na nossa matriz acreditar em bruxas, mas que elas andam por aí, lá isso andam, a fazer das suas.

A.A.

http://anti-praxe.blogs.sapo.pt/

Bastian disse...

Acho uma piada que agora os defensores da praxe academica estejam escondidos e nao venham por ai a criticar as pessoas que se opoem a estas situacoes.

Gostava de ver um comentario inteligente da parte deles agora.

Anónimo disse...

Fica aqui apenas uma nota de repúdio tanto para o sucedido (que só vem atribuir mau nome a algo que é feito com o intuíto de integrar os estudantes universitários que acabaram de entrar), como para a generalização da autora deste artigo (lá por numa ou noutra escola/tuna se passarem casos como estes, não significa que seja essa a regra!).

Bastian disse...

Nao estou a dizer que seja. Eu sei que nao e.

Mas porque enquanto houverem praxes irao, de tempos a tempos, haver incidentes destes, porque ja os houve muitas mais vezes do que devia, e que elas deviam ser banidas de vez.

Ou vao dizer que ha supervisao nas praxes?

Nao me parece que a morte de duas pessoas justifique a continuidade do tipo de eventos que levou a que a morte do aluno e subsequente "suicidio" de um medico valham a pena.

Filipe disse...

A todos os que defendem e dizem que os alunos das privadas são uns mimados e filhos dos papas...VÃO-SE FODER (li isto ali em cima num anónimo) sou aluno da Lusíada do Porto, e o que vejo nas faculdades públicas é uma cambada de betinhos que em vez de torrarem dinheiro em universidades privadas, torrarem no secundário privado para terem as tais belas médias...em ambos os casos há as devidas excepções.

Muito obrigado.
(As piores animalidades que vejo aqui no Porto, até é em pessoal das públicas, tipo letras e ciências)

Bastian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bastian disse...

Eu aluno na Lusofona e nao sou nenhum menino do papa. A minha mae trabalhou muito para me poder facultar o acesso ao ensino privado.

Mas nao deixa de levantar serias duvidas se o poder economico de alguns alunos, juntamente com o da Universidade nao foi o suficiente para haver dinheiro e coordenacao para se silenciarem em torno do crime cometido.

Quanto a animalidades e-me indiferente se sao praticadas nas universidades publicas ou privadas. O facto e que um cenario de praxe facultou a morte de uma pessoa.

Acredito e respeito as pessoas que realmente sentem que a praxe serve para as integrar ou ajudam na integracao de novos alunos.

Mas o facto e que nao e apenas uma questao de "so e praxado quem quer", quando o documento do caloiro ou da praxe muitas vezes explicita a segregacao de diversos eventos academicos para aqueles que se recusam a participar da praxe.

Mais, houve uma praxe, deu para o torto e alguem morreu. Pior, queriam ocultar isso, e o medico que levantou duvidas e fez queixa junto do Ministerio Publico suicida-se de seguida. Parece muito conveniente.

Estou-me cagando se sao meninos dos papas ou nao, embora devam ser... se os pais por ventura de alguma forma colaboraram para encobrir isto ou nao fizeram nada para fazer os filhos dizerem a verdade sobre o que se passou.

Filipa disse...

"Nesta tuna (e em todas as outras tunas universitárias), a democracia é inexistente, assim como as regras básicas de respeito pela expressão individual. O relacionamento é totalmente condicionado por uma hierarquia absolutamente rígida. Quem as integra obedece a uma autêntica estrutura de castas com claro prejuízo para quem está "mais abaixo" na cadeia."

Só para esclarecer no que toca a tunas: Eu faço parte de uma tuna à cerca de 2 anos e 4 meses, sou caloira e sou amiga de caloiras e veteranas da tuna em igual. Tal como numa empresa existe gente mais acima numa hierarquia e gente abaixo, gente que ganha mais e gente que ganha menos, na tuna há quem tenha mais direitos e quem tenha menos, é necessário trabalhar para chegar a veterano numa tuna assim como é necessário trabalhar numa empresa para subir na hierarquia.
EXISTEM regras que têm de ser cumpridas numa tuna, por exemplo, nas poucas 15 tunas que conheço, em TODAS elas, agressão física, seja entre dois veteranos, entre um veterano e um caloiro (e vice-versa) ou entre dois caloiros dá direito a expulsão imediata da tuna, seja quem for o agressor.
Não conheço a "tuna" de Vila Nova de Famalicão nem consigo encontrar informação sobre a mesma online, mas os acontecimentos relatados mostram que são uma vergonha para o mundo das tunas e não merecem sequer serem tratados como uma tuna.

Agora, não é só nas tunas que existe uma hierarquia ou regras, assim como regalias para os que estão acima. Isto existe em todo lado, nas empresas, no governo, nas famílias, na escola, e é assim que tem de ser para que as coisas funcionem como deve ser. O facto é que é suposto termos de trabalhar para sermos alguém na vida e não faz sentido que uma pessoa que nunca tenha feito nada por si tenha as mesmas (ou mesmo mais) regalias que aqueles que trabalham para ter o que têm e para serem que são.

Y disse...

Filipa, que tu aches que a hierarquia seja uma coisa essencial para o funcionamento das coisas, sejam elas quais forem, é de uma limitação brutal. A sociedade deveria evoluir no sentido oposto: não tens que ter alguém a mandar em ti para seres uma pessoa boa, que esteja integrada, nem para trabalhar.

O 25 de Abril foi em 1974, a PIDE/DGS foi extinta nesse mesmo ano, e não sinto a falta de nada parecido.

O M.A.T.A. funciona sem hierarquias, e quer concordes ou não, isto até funciona bem.

Filipa disse...

Tens razão Y, realmente o que o país precisa é de mais desempregados a ganhar o ordenado mínimo, de oferecer mais casas a quem não as quer ou a quem não quer pagar impostos. 'Bora por o tipo com a 4ª classe que mal sabe ler e escrever a mandar numa grande empresa qualquer. 'Bora incentivar os preguiçosos e preguiçar mais um bocadinho, já que não podem ser despedidos!

Olha, melhor ainda, uma anarquia!

Filipa disse...

Já agora, a repressão e a hierarquia são coisas, vá, só um bocadinho diferentes...

Filipa disse...

E nunca vi o MATA a organizar algo construtivo, a única coisa que vi até agora foram pinturas nas paredes e panfletos uma vez...

Youri Paiva disse...

A repressão e a hierarquia estão ligadas, é um facto.

Que tu deturpes o que eu disse é mais do que previsível. Mas a tendência social deve ser no sentido do fim das hierarquias.

Se tu não vês mais nada para além de murais e panfletos é porque não queres ver. Lá está, basta querer...

Filipa disse...

Não quero ver o quê? Eu não vi porque não há! Não foi porque não quis ver! Parece que estamos a falhar dos pilhões...


Dá-me exemplos que coisas organizadas pelo MATA que não seja pinturas e panfletos e já agora diz-me quando é o próximo evento e lá estarei.

Anónimo disse...

Filipa, há cerca de dois anos e não "à cerca de..." ja que falas em saber escrever...

Anónimo disse...

Filipa, acho que devias tentar ver para além daquilo que te metem à frente...
Desde pequenos que somos submetidos a uma lavagem cerebral, tanto pelos media, como pela escola, instituições com fins lucrativos, etc. que temos de nos submeter a quem está acima de nos na hierarquia, mas acho que é quando somos jovens que temos mais capacidades para perceber isso, e tentar lutar contra tal.

A hierarquia e a competetividade só servem para que uns possam explorar, e outros possam ser explorados, para que uns deitem comida fora, e outros a vão buscar ao lixo, para que nos mantenhamos tão ocupados a lutar por um "lugar ao sol", que não queiramos saber dos outros, que nos esquecamos que somos seres humanos e não maquinas exploradas.

Considero que se continuares a pensar assim, vais fazer sofrer muita gente, e sofreres também.

A amizade e felicidade não se obtém através da competitividade!

Cumprimentos :)

Filipa disse...

OK, não discutir com vocês sobre esquerdices. What can I do, sou de direita, happens.

É só isto:
Anónimo disse...

Filipa, há cerca de dois anos e não "à cerca de..." ja que falas em saber escrever...

onde é que eu falei em saber escrever oO!?

ser.r.alves disse...

Bem, Filipa, então queres saber de coisas organizados ou feitas pelo MATA. Gostava de te apresentar uma lista completa e por ordem cronológica mas não tenho paciência, nem gosto, para fazer isso para ti. Em tom de currículo e para além das distribuições de panfletos e murais que pintámos (e cartazes que colámos):
- já organizámos e participámos em vários debates em diversas faculdades.
- fizemos uma festa em grande em Letras onde convidámos diversos núcleos de faculdades e fora destas, concertos, ...
- juntámos uma série de bandas portuguesas para gravar um CD contra a praxe (se quiseres comprar envia-nos um email)
- fizémos um documentário onde entrevistámos uma série de pessoas conhecidas por ser anti-praxe.
- temos uma revista - "Toupeira" - onde publicamos uma série de textos sobre a Universidade e o que se passa nela.
- demos várias entrevistas à rádio, televisão e imprensa escrita
- gerimos este blog onde perdemos tempo a responder a tótózices como as tuas.

Parecem-me tudo coisas construtivas que dão muito trabalho de fazer.
E não somos muitos, e a maioria de nós já trabalha.

Anónimo disse...

Onde é que falaste em saber escrever, Filipa? Falaste nisso quando disseste:"Bora por o tipo com a 4ª classe que mal sabe ler e ecrever a mandar numa grande empresa qualquer." Pode ter sido um lapso, mas disseste. Mas o que é lamentavel é que uma pessoa jovem como tu pense da maneira que pensas. Que rídiculo pensar que só se esta bem se houver alguém a mandar. Significa isso que se não tiveres um superior que te governe e oriente não cumpres as tuas obrigações.É lamentável. Como é que as coisas vão mudar se a gente jovem pensa como tu?

Filipa disse...

Bem senhor Anónimo, lamentável mesmo é que alguém como tu, que não faço ideia da tua idade, não seja capaz de aceitar a opinião das outras pessoas ou de debater ideias de maneira coerente e vá, normal.

Primeiro de tudo, sim, acho que um chefe faz falta, porque quando se tem muita gente a trabalhar para atingir um único objectivo e todas elas trabalham numa pequena parte é normal que haja alguém encarregue de acertar e montar o "puzzle" de trabalho, de modo a no fim ter algo concreto e coeso.

Não sei que fazes da vida, mas sei que numa empresa há-de haver alguém que te paga o ordenado e é para essa pessoa que tu trabalhas, portanto ela está acima de ti, provavelmente ganha mais que tu e tem mais regalias. O facto de estar acima de ti e te pagar o ordenado não significa que não possam ser amigos, significa apenas que na hierarquia do poder, tens alguém acima. A hierarquia não tem nada a ver com repressão ou até respeito. Deves tratar tão bem quem te paga o ordenado como quem limpa as ruas à noite ou te serve num café ou restaurante.

Olha em volta e percebes que o que eu estou a dizer é verdade: tudo funciona com uma hierarquia e é assim que deve ser. Os professores têm mais direitos que os alunos, o primeiro ministro tem mais regalias que tu.

Se a gente jovem pensa como eu é porque se calhar acham que não está certo estudarem durante 17 ou mais anos para no fim verem alguém sem a escolaridade mínima a ganhar tanto como eles mesmo estando desempregado ou com mais regalias.

Num mundo perfeito terias só gente culta e inteligente, não terias ladrões, aldrabões ou assassinos e toda a gente seria trabalhadora e eficiente. Infelizmente o mundo não é assim e há gente que se não tiver alguém que lhes diga o que fazer simplesmente não fazem nada, se não houver policia há mais contrabando de droga, mais roubos e mais mortes, se não existirem regras ou alguém que diga não de vez em quando, então cada um fazia o que lhe apetecia e o mundo seria um sitio mais negro e sombrio (porque quer gostes quer não, nem toda a gente é boa e sensata e a liberdade funciona para os dois lados).

Filipa disse...

ser.r.alves, não queria uma lista detalhada, queria mesmo saber que tipo de coisas o mata organiza porque nunca vi nada mais complexo organizado por vocês.

Só não me disseste quando é o próximo evento organizado pelo mata.

Anónimo disse...

Filipa, geralmente quando somos jovens queremos mudar o mundo, quando envelhecemos acomodamos-nos.

Se tu, em jovem já pensas assim, quando fores mais velha votas PNR. (se é que ainda não o fazes)

Viva a liberdade e igualdade. Abaixo a repressão e o fascismo

Anónimo disse...

Filipa, é claro que eu entendo as opiniões dos outros!!!! Até concordo com algumas coisas que disseste, nomeadamente que as hierarquias existem e não devo por isso deixar de me dar quem é meu superior e meu inferir hierárquico. O que não concordo é que a hierarquia seja absolutamente necessária como disseste inicialmente.Nem que todas as pessoas necessitem dela. Há quem seja responsável e saiba o que tem para fazer só por si.Dizer que ela é absolutamente necessária parece-me um erro. Para tua informação sou mulher, tenho formação superior e 40 anos.Há outro anónimo para além de mim a comentar.

Anónimo disse...

E continuando porque entretanto reli o teu comentário ...era o que faltava que não me desse e não respeitasse quem me serve um café e quem recolhe o lixo. Todos precisamos de todos, não sou mais que nínguém apenas pelo facto de ter um curso superior. Continuo a achar lamentável que este tipo de discussão exista sequer. Eventualmente serei superior a alguém pelo meu carácter e não porque sou licenciada em seja o que for. Também não vejo nada de extraordinário no facto de alguém que trabalhe há 25 anos, (sem curso superior) ganhar mais que um licenciado de "fresco". Comigo passou-se a mesma coisa. Lá esta é a tal hierarquia que tu tanto defendes. Muitos anos a trabalhar significam alguns benefícios em relação a quem começa.

Roberta disse...

Claro que há hierarquias em montes de lados. Eu cá acho que precisamente quando sou eu a inventar uma forma de estar, vou então inventá-la sem hierarquias, porque não gosto delas. Não vou reproduzir uma coisa porque é assim em todo o lado. Vou precismaente tentar criar relações diferentes entre as pessoas.

Sir Giga disse...

Tentei publicar aqui o meu comentário a este post. Como o mesmo não foi aqui publicado (exigências do blogger ao nível do espaço, presumo), deixo aqui um link para um dos meus blogs, onde exerço o meu direito de opinião.

http://transmontunices.blogspot.com/2009/10/praxe-tunas-e-o-caso-do-diogo.html

Já que alguém tinha pedido um comentário inteligente por parte dos praxistas...pedido realizado.

Anónimo disse...

Filipe da Lusíada,

Andei num Colégio privado, entrei na pública, nomeadamente em Ciências. Digo, praxe de privadas é para atrasados mentais! Não fales do que não sabes. A praxe de Ciências é praxe de meninas! Fui praxado e praxei! O grande problema nas praxes são os ditos "anti-praxe" que aparecem pouco enquanto caloiros, e assim que se vêm de traje são os mais insensíveis a praxar. E acredita que em ciências há muito pouco disso!
Andei na Tuna de Ciências e na Tuna do Orfeao Universitario do Porto, e digo-vos que no Orfeao apanhei muita dessa gentinha que pouco ou nada foram praxados, e que na altura de praxarem eram bem piores do que qualquer um bom "filho da puta" em Ciências.

Só vai à praxe quem quer! Vocês do MATA aposto que não sabem o que é praxe!

Não conhecia o Diogo, mas sou grande amigo de familiares que, mesmo depois deste episódio lamentável, foram à praxe como caloiros! Deixem-se de merdas. Curto muito mais a praxe a ser praxado do que a praxar. e nunca me faltaram ao respeito.

Youri Paiva disse...

Eu sou anti-praxe, fui praxado e nunca praxei. Sei bem o que é a praxe. Estudei em duas faculdades, vi praxes numa boa parte das faculdades de Lisboa e arredores e actualmente trabalho numa faculdade. Já cansa isso de não sabermos o que é praxe, mas acham que somos parvos?

Anónimo disse...

Sou a tal anónima de formação superior e de 40 anos, que lamenta a necessidade absoluta de hierarquias embora, como é obvio saiba que elas existam e apareceu aqui para responder à Filipa. Estudei em Coimbra, terra de praxes como todos sabem e é com alguma surpresa e sobretudo tristeza que agora tanto oiço falar em praxes. Não percebo que necessidade tão grande sentem os estudantes de hoje de levar a cabo estas praxes que humilham os outros. De facto não me parece uma coisa normal.Penso que antes de entrarmos para a universidade o que nos anima é a vontade de aumentar os nossos conhecimentos e com eles melhorar o mundo, ou pelo menos tentar que assim seja.Não compreendo por isso que mal ultrapassada essa etapa nos mova essa tal vontade de ferir. Sinceramente não compreendo que prazer isso possa dar. Lamento muitíssimo o caso do Diogo e todos os outros que por este país acontecem. Até não não rejeito algumas brincadeiras que se fazem nas faculdades, tal como a mim me fizeram e no ano seguinte me pediram para fazer. Mas coisas absolutamente inofensivas, coisas essas que não eram de todo fundamentais,mas que também não feriam fisicamente nem humilhavam. No entanto na república onde fui "comensal" falava-se de tempos anteriores, onde aí sim as praxes haviam sido severas. Nessa altura já nada disso se passava e ainda bem. Hoje oiço falar em vilência fisica desmedida e fico absolutamente atónita. Fico com a impressão de que esses jovens se julgam superiores apenas pelo facto de terem entrado na Universidade, o que é um erro tremendo. Também me parece e agradeço a correcção se estiver errada, que é nas privadas que as praxes são mais violentas. Imediatamente sou levada a pensar que se trata de uma necessidade de afirmação dos alunos destes estabelecimentos. Estarei errada nesta observação?
MV

Anónimo disse...

Onde há tradição académica julgo não haver esses problemas que tanto vemos nas privadas! Tal como disse, estudei em Ciências, praxei em Ciências... só é humilhado na praxe quem quer e quem o permite! Sou anti-praxe em universidades privadas, onde entraram meia dúzia de delinquentes porque os pais tinham dinheiro, e um dia resolveram fazer praxe sem algum dia term sido praxados, daí as notícias lamentáveis que ouvimos nos telejornais!

Anónimo disse...

praxe é praxe, seja na privada ou na pública.
A humilhação não paga mensalidades

Anónimo disse...

Se é verdade que a praxe não edifica e não é uma coisa boa em si, não concordo coma a ideia de que praxe é praxe e é toda igual. Não a defendo, mas há práticas e práticas. Não há comparação possível entre violência física e psicológica legitimada poelos tais códigos da praxe com as brincadeiras a que fui sujeita. Volto a dizer que não a defendo mas não há semelhança possível. Por vezes sou tentada a pensar que quem tem estes procedimentos são pessoas com uma raiva e com uma angústia muito grande e que agora ao sentirem aque têm algum "poder"(poder nenhum) se vingam nos outros, demonstrando uma total insensibilidade. Devem ser pessoas muito infelizes e com mentes perturbadas que tiram prazer da humilhação que causam aos outros. Também me surpreende que esses tais códigos se possam sobrepor ao Direito. Sei muito bem que não se sobrepoem mas é a ideia que passa. E por esta razão e porque vivemos no sec. XXI e já devíamos ter aprendido tanto com a História lamento que os órgãos directivos das universidades continuem a permitir que tal se passe... mais que o Ministro tenha vindo dizer dizer o que disse(e muito bem) porque tal não devia ser necessário em 2009. Tenho uma sobrinha que entrou para o Técnico, vamos ver o que lá se irá passar...
MV

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

SOU A MÃE DO DIOGO MACEDO
FILIPE DIZES QUE ES GRANDE AMIGO DE FAMILIARES DO MEU FILHO??? NAO COMENTES O QUE NAO SABES!!

AO KOMUNA DEVO-TE DIZER QUE ANDAS UNS ANOS ATRASADO EM RELAÇÃO AOS FACTOS..

MARIA MACEDO

atthenas_ disse...

Ao ler a reportagem da Felícia Cabrita e os comentários que teceram alguns comentadores no SOL on line e no JN, despertou-me a curiosidade de visitar este blog.Estou profundamente chocada pela percepção com que fico, do que aconteceu ao Diogo naquela noite e não consigo sequer imaginar o sofrimento daquela mãe.Nunca pensei que praxe fosse isto que li neste blog.Isto não é praxe é um atentado á integridade física e moral do ser humano.Ao Komuna e Thyrs gostaria de dizer o que me vai na alma e a revolta que sinto ao ver como defendem tão veementemente os autores (se é que não foram eles)de tamanha barbaridade.Que decepção teria eu, no lugar das vossas mães ao ler-vos, por terem gerado filhos tão ignóbeis que têm o desplante de desculpar este tipo de procedimentos.Eu no Vosso lugar, dava um tiro da cabeça porque nem mereçeis existir, corja de bêbados que tão pouca personalidade têm, que até precisam da desculpa da praxe para se embebedarem.

atthenas_ disse...

Todos os estudantes que tenham sido testemunhas do que aconteceu ao Diogo, têm obrigação moral de falar ou serão tão cúmplices quanto eles.Tão ladrão é o que rouba como o que fica á porta.Não compactuem com um crime desta natureza.Lembrem-se "não faças aos outros aquilo que não gostarias que te fizessem a ti".Hoje pelo Diogo, amanhã, quem sabe, por um filho vosso.

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Youri Paiva disse...

Simplificação. Não vende e não é o que se quer ouvir. Mas realmente, basta ler um pouco sobre o que se passou e ficam muitas coisas no ar.

Vocês safaram-se uns aos outros, é o que parece.

belhotte disse...

Bem... Com tanto paleio até parece que quem entra numa Universidade é obrigado a entrar para "a" Tuna... E que depois de lá estar, não podes sair se queiseres... COMPLETA TRETA!!!

Já tentaram saber como são as praxes da Academia Militar aí tão perto de Lisboa?

Por PRAXE não se entende o abuso e a ofensa, Isso é CRIME, não é PRAXE!

José Rainho "belhote"

belhotte disse...

Depois de ler algumas respostas a este post, sou obrigado a pensar que afinal nem tudo neste nosso cantinho à beira mar plantado está perdido

Filaipa, se eu não fosse caso pedia a tua mão aos teus pais, pois ainda acho que esse gesto tradicional é muito bonito. Mas pelos vitos o pessoal destas colectividades não gosta muito disso.

Em relação à malta do MATA, tenho a dizer que os vossos murais não são mais do que grosseiros crimes, punidos por lei, e que tenho a certeza que qualquer tribunal os punia com uns diazitos de trabalho civil, para vos ensinar que há uma coisa que se chama património e que devemos estimá-lo. Mas isto é apenas um saloio transmontano a falar que se irrita de ver o Estado a comer-lhe impostos todos os meses para tratar das aneiras que vocês e outros como vós fazem aí pela capital (leia-se: todos aqueles que cometem crimes que destroem património ou bens publicos que necessitam de restauro ou de substituição).

Por outro lado, parece-me completamente inquerente que se diga que a sociedade caminha no sentido da igualdade... Quem o afirma não deve estar muito atento. A sociedade actual é capitalista de mercado e caminha no sentido da evolução com base na concorrência. Eu acredito que todos dever ter igualdade de oportunidade, mas que somos todos iguais??? Isso é que era bom... Querem lá ver que o drogado lá da esquina (que recebe o rendimento minímo que eu até ajudo a pagar... infelizmente e contra a minha vontade) é igual a mim que trabalho como um mouro (sem desfeita para os mouros) e acumulo 2 empregos, levanto-me todos os dias às 8.00 da manhã e deito-me não antes das 3.00; só para tentar amealhar mais uns tostões para poder proporcionar uma vida melhor aos meus descendentes???

Desculpem lá, mas isso sim... era antes de 74... igualdade acontece nas ditaduras (excepto o ditador, hehehe) sejam elas de esquerda ou de direita! E essas, felizmete estão a acabar, o que prova que a treta da igualdade é conversa!

José Rainho "belhote"

belhotte disse...

Claro que não é Filaipa, é Filipa; e eu num sou caso, sou quase casado, lol

Youri Paiva disse...

É curioso falares de murais como crimes num post sobre um homicídio. Mas já fomos a tribunal e a consequência foi completamente contrária ao que tu afirmas. Mas sim, o grande mal do Estado é gastar tempo e dinheiro a limpar murais - ora porra, não há mesmo mais nada que este Estado faça mal, porque sim os murais a serem limpos é que é importante. Homicídios? Pfff.

A sociedade caminha para a igualdade, mas não para todos. O "drogado lá da esquina" (sim, belo exemplo, como sempre a simplificação ganha nas mentes praxistas) mais valia simplesmente morrer? Vamos lá cagar nessa gentalha que só nos chupa os impostos. Por falar nisso, lembrei-me agora dos banqueiros, assim aqueles do BPN e do BPP, essa gente também chupa do "nosso" dinheirinho. Mas esses não incomodam as vistas.

E para concluir: dizeres que antes de 1974 existia igualdade manifesta um profundo e extremo desconhecimento da História contemporânea de Portugal. Mas pronto, ninguém tem que saber tudo. (podiam era saber alguma coisa)

Belhotte disse...

Desconhecimento da História Contemporânea de Portugal? Não deves saber bem do que estás a falar... Estudaste-a? Pois eu ainda a vivi, e tu sinceramente duvido-o. Sim, a nossa ditadura era de extrema direita, mas não penses que as diferenças para uma ditadura de extrema esquerda são muito diferentes... Já visitaste Cuba? Estudaste pelo mesmo livro da História de Portuga a ditadura da ex União Soviética? Acreditas que lá eram todos iguais??? Gostava de te ver tentar pintar um mural e seres apanhado em Cuba... Não era trabalho cívico que terias de fazer... era provávelmente uns mesitos de cadeia...

Para quem tanto fala de liberdade de expressão e de igualdade de direitos, em Cuba vi um sujeito ser preso só porque tentava levar-me a mim e a dois amigos a jantar em casa dele (costume ao qual se chamam as bodegas, e onde se come a mais típica comida cubana) em troca de uns míseros tostões... Sem dívida que as sociedades comunistas é que devem ser boas...

Se de facto foram a tribunal e não foram condenados por danificar o Partimónio de Estado... o que eu sinceramente duvido, então aí vocês tem mesmo razão... em que país vivemos... Um dia destes para chamar a atenção (e reitero o já postei noutro comentário, não concordo com actos de praxe violentos e libertador de fruntrações, o que infelizmente acontece vária vezes e deve ser exemplarmente punido) sobre outro qualque assunto, começamos a assaltar e a agredir pessoas no meio da rua. Ninguém nos pune...

O meu exemplo do drogado, é um exemplo como outro qualquer. O drogado lá da esquina, que na zona onde eu moro são mesmo imensos, é uma pessoa como outra qualquer... agora, se deviamos matar o pobre coitado? Não sei... talvez... Mas que já tive imensos desacatos com ele e com outros (inclusíve dois da minha família mais próxima, e esses eu sei que tiveram as mesmas oportunidades do que eu, e é nisso que eu acredito, que todos devem ter as mesmas e iguais oportunidades) por apanhá-los e interceptá-los em tentativas de aliciamento a menosres para venda de droga e outras substâncias proibidas, já! Agora secalhar entre a malta do MATA até há gente (não acredito que todos, mas ideologias comunistas até tem dessas coisas) que são a favor de liberalização de drogas... Isso é que eleva o nosso estado de espírito e nos ajuda a criar e sermos artista... Abomino! Mas é apenas a minha opinião, que afinal é aquilo que este blog trata... opiniões!

Já os do BPP e afins, não penses que me atrevo a concordar com situações dessa natureza. Num estado de direito, quem prevarica tem de pagar e ponto final. A tua comparação foi infeliz. Limitava-me apenas a procurar encontrar casos de diferenças hierárquicas, e afinal o termo "sociedade" assenta sempre na hierarquia. Podes procurar à vontade, mas o tal sistema social onde todos somos iguais não existe a não ser em sociedades super evoluidas e alegadamente perfeitas... Talvez daqui a muitas e muitas centenas de anos, mas será que a espécie humana consegue sobreviver tanto tempo?

José Rainho, "belhote"

Youri Paiva disse...

Novamente a simplicidade praxista no seu melhor. Eu não falei bem das ditaduras de direita ou de esquerda, não me viste defender a URSS. Apenas discordei, obviamente, de que existia igualdade durante o Estado Novo. Existiam era mais pobres. Essas misturas entre anti-praxe e Cuba é simplesmente ridículo.

Não danificámos nenhum património do Estado ou privado, pintámos numa parede. É diferente de partir seja o que for. Tens é uma imaginação fértil à brava, já comparas pintar murais a assaltos e agressões (que acontece na praxe, aí sim é tolerável).

Não sabes? Talvez? Talvez se devessem matar os toxicodependentes. É essa a tua opinião? Realmente, torna-se uma perda de tempo falar com quem defende práticas semelhantes ao que foi defendido durante o Nazismo. Percebo agora porque é que defendes a praxe.

Tu até entras em contradição. Eles devem ser mortos, até porque aliciam os menores ao consumo e venda de droga. Os menores entram porque foram aliciados, mas agora já deviam ser mortos.

Se dizes que é possível viver sem hierarquias, daqui a centenas de anos, mais vale começar agora o caminho não?

atthenas_ disse...

Eu só tenho pena que se estejam a desviar do ponto fulcral da questão, ou seja do alegado crime de que foi vítima o Diogo. Não quero dizer que não sejam questões plausíveis de serem colocadas e discutidas mas num contexto menos urgente.O que é certo é que houve um crime, denunciado por um médico que atendeu o Diogo quando ele deu entrada no hospital e que, estranhamente (para mim) pôs termo á vida algum tempo depois.Ou será que se suicidou por alegadas pressões de que foi vítima?Se alguém me puder explicar, eu agradecia.Urge que os culpados não fiquem impunes e que as testemunhas silenciadas por uma lealdade praxista que ofusca o sentido de justiça, tenham a coragem de falar.

Youri Paiva disse...

O crime que aconteceu está inevitavelmente ligado à praxe, não há grande volta a dar a esse facto. Isso merece discutir e põe a praxe em questão.

O suicídio do médico está por explicar. Apenas li que foi em "circunstâncias estranhas".

atthenas_ disse...

Penso também que, o traje, não tem que andar a par com as praxes.Um traje, é uma farda, um uniforme ou o que quer que lhe chamem, que não tem que ver forçosamente com praxes.As praxes, enquanto brincadeiras inconsequentes, que permitam criar um ambiente de boas vindas ao caloiro, sem que se embebedem os jovens contra a sua própria vontade, nem os humilhem, e atentem contra a sua integridade moral, acho que teria até muita graça.Não conheço o M.A.T.A., nem me interessa se são de esquerda ou de direita.Interessa-me e apoio-os enquanto defensores da integridade física e moral dos estudantes.Talvez o M.A.T.A. nem tivesse razão de existir se as praxes fossem decentes e fossem algo que os jovens caloiros desejassem, de tão divertidas.

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Youri Paiva disse...

És, de facto, um daqueles gajos repetitivos. Que repete até à exaustão os argumentos de sempre. Dizes tu que em quase 20 anos de história daquela tuna não há registo de violência? Isso significa que não existia violência? Será mesmo? Certo é que houve uma morte nessa tuna e essa morte não foi acidental.

Para que saibas, a acusação e condenação da Universidade Lusíada não foi meramente por não garantir a segurança dentro do seu espaço, mas foi por não ter combatido das praxes violentas. Posso citar o que diz o Tribunal: "O Tribunal considerou provado que nunca a ré (universidade) teve algum controlo efectivo sobre esse tipo de praxes violentas e humilhantes. Não temos notícia que alguma vez tenha proibido a violência mencionada, aliás os factos apurados mostram a ausência de intervenção."

Portanto em relação à responsabilização da Universidade estamos conversados. O Tribunal considera que existe uma ligação (óbvia) entre a morte de Diogo Macedo e a praxe da tuna.

Em relação ao resto que estás aí a contar, o que tu ouviste e mais não-sei-que, tenho sérias duvidas. É que ou todo o resto do mundo mente, ou vocês, praxistas, mentem (e ocultam).

André disse...

Ó Komuna,
então tu não acreditas em tribunais, é? Desculpa lá, quando há condenações tem de se acreditar que aconteceu alguma coisa, não? Que foi provado alguma coisa, não? Se não acreditas na justiça, olha, resolve tudo com as tuas mãos e suja-as cada vez mais de sangue...

É óbvio que isto tem que ver com a praxe, com a arbitrariedade da praxe. A praxe tem uma única regra: quem decide em que é que ela consiste pode ser qualquer pessoa que esteja a praxar, qualquer pessoa que seja mais velha que a outra. Essa pessoa faz o que bem quer. Se for fofinha, a praxe é fofinha, se for um anormal a praxe é anormal, etc. É esse o crime da praxe. Alguém ficar nas mãos de alguém e ser obrigado a fazer o que bem passar na cabeça do outro.

Mas quanto ao caso em questão, não é só isso. Eu aqui já falaria de seita ou corporação de elite. Muito assustador.

Para acabar, acho incrível ter morrido uma pessoa e vocês virem dizer que é tudo mentira. E que falta de respeito. Deviam era baixar as orelhas e ficar caladinhos. Deviam era esconder-se de vergonha.

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diana P. disse...

Komuna: não é o MATA que tem de esclarecer as inexactidões que existem à volta deste processo. Não é esse o nosso papel. Não somos nem nunca fomos a DECO das praxes e muito menos aceitamos ser considerados a Judiciária neste caso.
Aproveitando a tua disponibilidade e boa vontade, uma linha simples de raciocínio:
- Uma pessoa morreu.
- A morte não foi acidental.
- As circunstâncias que levaram à causa de morte não foram apuradas.
- No processo criminal foram ouvidos os que lá se encontravam
- A investigação não apurou factos suficientes para que os arguidos fossem formalmente acusados.
- Uma das razões apontadas o encerramento foi a existência de um muro de silêncio.
Quanto à relação com a praxe, esta é inegável: factos, testemunhas e testemunhos...Lamento, mas este caso é real, é verdadeiro, não é uma conspiração de suposições para atingir a praxe.
Tu (e outros aparentemente envolvidos directa/indirectamente no caso) têm deixado inúmeros comentários, neste e noutros blogs.Tal como é altamente suspeita a morte do Diogo, também o são as várias teorias de que a fractura da vértebra cervical foi acidental(?!?)/infligida no hospital?!/ ou, ainda melhor,como um membro da tuna sugeriu: foi o médico que se suicidou que agrediu o Diogo no hospital?!! Todas as outras lesões apareceram espontaneamente??
O facto de não haver referências a estas lesões nos diários clínicos não significa que não estivessem lá. Como na altura não se suspeitou de morte violenta,não é incongruente que o exame objectivo no hospital não tenha sido dirigido para determinar indícios de agressão ou não. O que já não é o caso da autópsia, cuja função era precisamente essa. Estamos a falar de actos médicos completamente distintos.
Resumindo, o resultado da autópsia não pode ser contestado: a causa de morte foi uma hemorragia no cerebelo no contexto de uma fractura da 1ª vértebra cervical e outras lesões compatíveis com agressão, que terão inegavelmente ocorrido pouco tempo antes dos acontecimentos que levaram à morte do Diogo (entenda-se a paragem respiratória na noite dos acontecimentos e não a declaração efectiva do óbito, como muitos deturparam).
Acho a tua citação do Bastonário da Ordem dos Advogados deliciosamente apropriada. Serve igualmente para considerar que é estranho que uma investigação tenha sido enterrada e uma pessoa, independente e persistentemente, ter conseguido apurar muitos factos. Este é um dos aspectos que, infelizmente, o caso do Diogo tem em comum com os outros casos de violência a que já assistimos de no contexto de praxes: o poder que uma faculdade tem (e o facto de ser privada não é um pormenor).
Não é o nosso papel acusar ninguém. O nosso papel neste caso (que, como afirmámos no comunicado, sendo um homicídio, ultrapassa os limites praxísticos) é contribuir para que não seja esquecido e ao mesmo tempo continuar a reiterar que, sendo um caso de polícia, está sujeito às mesmas leis e procedimentos que o resto da sociedade, não sendo admissível que tenham existido ingerências para não ser adequadamente investigado.
Se tu (e outros) estão disponíveis e colaborantes, motivados para que tudo seja esclarecido, não é ao MATA que têm de se dirigir. É à família do Diogo Macedo e aos seus advogados. Até pode ser que contribuam para que seja reaberto o processo e seja(m) apurados o(s) responsável(eis). E isso é que é importante.

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diana P. disse...

Apenas alguns pontos que incluem transcrições dos acórdãos das sessões de tribunal (http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=1033407). Respondes apenas parcialmente às questões que pairam no ar e também a tua resposta tem imprecisões, pois há factos e conceitos que são misturados e deturpados.
1 - ”A investigação da PJ não consegiu sequer provas para dizer que a lesão fatal tenha sido provocada por agressão...”
Antonieta Dias, a médica legista que o assinou [o relatório da autópsia], foi ouvida na primeira sessão de julgamento e reafirmou o que já antes escrevera: aquelas lesões "foram provocadas próximas da hora da morte" e "nunca poderiam resultar de uma só queda". A posição é corroborada e subscrita por um parecer médico-legal do professor Pinto da Costa.
Uma investigação da judiciária e um exame médico-legal são conceitos e factos distintos. Convém não os tentar misturar.
2 - “Essa do MURO DE SILENCIO já enoja(...) Que muro de silêncio? “
“Apesar disto, os elementos da tuna académica da Universidade Lusíada de Famalicão mantêm-se fiéis ao que, no decorrer da sessão, o Juiz designou como "muro de silêncio".”[palavras do juíz, não nossas]
3- "Os contactos dos responsáveis da Tuna sempre estiveram disponíveis na Universidade para quem quisesse falar com eles.... "
Então, segundo o que dizes, o que se passou foi: toda a gente - menos a Polícia Judiciária e a família do Diogo Macedo - se sentiu esclarecida, sem achar haver necessidade de mais investigações?
4 - "Eu conheço a mãe do Diogo, nunca me vais ver aqui a dizer seja o que for contra ela, nem nunca viste ninguém da Tuna a faze-lo."
Já percebi que conheces a mãe do Diogo, isso ficou patente na resposta que ela deixou a um comentário teu. E parece que tu (e outros) pensam, mais uma vez, que os factos estão satisfatoriamente esclarecidos.
Apenas podemos ter palavras de apoio e coragem para a mãe do Diogo.
5 - ”Dizes também que não é vosso papel acusar ninguém... mas porque raio são tomadas como verdadeiras as declarações do médico suicida (...), mas que adivinha que lesões no corpo de pessoas que pertencem a Tunas são fruto de violência em contexto de praxe. Porque é que uma pessoa diz isso, e toda a gente toma o facto como provado?”
Mais uma vez, os factos baseiam-se no relatório da autópsia. Não nas declarações do médico, que sim, nunca o observou, mas suspeitou. Relembro que foram as suspeitas deste médico que permitiram que a autópsia fosse efectuada. E foi a autópsia que determinou a causa de morte e considerou existirem indícios compatíveis com agressão. Ou será que teria sido melhor que o médico não tivesse manifestado as suas dúvidas e a autópsia não tivesse sido feita? É isso que estás a dizer? Mais uma vez, cuidado com a mistura de factos e acontecimentos.
6 - “... como é que um homem escreve uma carta anónima onde lhe apetece dizer uma série de barbaridades, e só isso basta para ser considerado VERDADE ABSOLUTA... só prova que este país é de doidos”
Não percebo de que é que estás a falar. Da carta do médico ao Ministério Público? Se sim, não vejo como é de doidos o Ministério Público levar a sério as suspeitas de um médico, que aparentemente até tinham razão de ser. Relembro que não se pode considerar a causa de morte como natural, efectivamente ficou demonstrado que foi uma morte violenta.
7 - ”... não vale a pena criares mais um MURO PSICOLÓGICO DE SILÊNCIO, porque nunca existiu.”
Não estou a tentar criar nada. Sugeri aquilo que é evidente numa situação destas.
Esta é a última vez que tento evitar que factos e acontecimentos sejam misturados e deturpados. Falar de um caso destes obriga a precisão e exactidão.
Reafirmo o objectivo principal do MATA: este caso não pode ficar esquecido, não é admissível que a culpa morra solteira. A escola não é uma parcela à parte do resto da sociedade, não pode haver impunidade perante acontecimentos tão graves como este. E é um caso que, como já dissémos, obriga a uma discussão e reflexões profundas na sociedade acerca do que se passa na Escola.

atthenas_ disse...

Komuna, eu analiso a situação como leiga e não tendo qualquer ligação ao M.A.T.A. nem conhecia o movimento, estou perfeitamente á vontade para, no mínimo, estranhar o seguinte :
1. Não me parece nada plausível que, uma médica legista tenha "inventado" lesões, no exame de autópsia que efectuou;
2. Muito menos é passível de dúvidas que as lesões possam ter sido provocadas no hospital, depois de o Diogo ter dado entrada;
3. O médico que levantou a suspeita, que segundo dizes tinha problemas psicológicos, inventasse uma história destas pelo facto de ter simpatia pelo M.A.T.A., por muitos problemas psicológicos que tivesse;
4. Que a lesão no cerebrelo que causou a morte ao Diogo, foi objecto de violência provocada na Universidade, pois o Diogo estava bem e esteve quando saiu de casa e chegou á faculdade, conversou com amigos (e disso há testemunhas), pelo que parece óbvio que terá sido "alguém" com quem esteve dentro da universidade, não há dúvidas;
5. Por último, se os "tunos" ou praxistas envolvidos querem tanto que se apure a verdade e deveriam ser os primeiros a quererem ser completamente ilibados de toda a história, porque não tentam reabrir o processo? Vais-me dizer que o processo foi encerrado por falta de provas. Desculpa dizer-te isto mas, com tantas testemunhas presentes no local, com relatórios de autópsias, com testemunhos de médicos que são entidades credíveis, com escutas telefónicas que, ao contrário daquilo que dizes, são altamente suspeitas pois indiciam que havia necessidade de impôr uma versão unânime, a todas as testemunhas, acho que há mais do que razões para se reabrir o processo. E tu, demonstrarias assim a tua isenção e imparcialidade em todo este processo e um grande respeito pela mãe do Diogo que tem todo o direito e merece saber a verdade.Eu sou mãe, se Deus quizer a minha filha será caloira no próximo ano, e todos os anos aparecem novos casos de praxes violentas. Repara bem, eu não sou anti praxe, sou anti praxes violentas, que humilhem o próximo e que atentem contra a integridade física e moral das pessoas, sou anti-excessos praxistas. Sou apologista de que, mesmo dentro da praxe, toda a gente tem direito ao "NÃO".
Reponham a verdade, se efectivamente estão conscientes de que esta não é a verdade porque, sinceramente, a mim, ainda não me convenceram.

Tuninho disse...

Andar a forçar a pandeireta, Komuna.Naquela noite, os responsáveis verdadeiros são poucos.Eu, por mim, já estou com vontade de falar.Parece-me que hoje vais ter uma prenda.Lembras-te aonde é que alguns ainda foram naquela noite?

Jose Antonio disse...

Ao Komuna
Uma vez que se dispôe a prestar esclarecimentos, se me puder informar agradeço o seguinte:
1 - Que circunstâncias misteriosas foram as do suicídio do médico e qual o método utilizado

2 - Se foram apagados os ultimos registos de chamadas no telemovel do Digo

Obrigado

atthenas_ disse...

Ahhh ... então foram apagados os últimos registos de chamadas do telemóvel do Diogo.Uhmmm muito conveniente, convenhamos. E que têm os Tunos a dizer sobre isto, nomeadamente aqueles que recolheram o telemóvel? E que têm os Tunos a dizer sobre as escutas telefónicas, em que tentavam impôr uma versão única dos acontecimentos, apesar de só á 3ª vez ter sido captada a mensagem, pelo seu interlocutor que respondeu negativamente por duas vezes? E que dizem os Tunos ao facto de tantos tuninhos terem abandonarem a Tuna depois dessa noite?

Andre disse...

Acho que os tunos, e os "Komunas" já não têm nada a dizer sobre o assunto, pois pelo que dá para perceber dos anteriores comentários há muitos a quererem silenciar-se uns aos outros... Quem sabe se a esta hora ainda estão vivos.

As pessoas realmente metem-se em cada coisa... Em vez de convívios saudáveis preferem entrar em filmes de violência, chantagem, terror.

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Vou começar com uma quadra que li algures num jazigo:

Quem não tem filhos no mundo
Não chore por nunca os ter
Porque o desgosto mais profundo
É chorar por os perder

Nada tenho contra as praxes, desde que sejam respeitados determinados limites, nomeadamente o respeito pela pessoa humana, move-me apenas a solidariedade para com a mãe do Diogo e o dever de exigir que seja feita justiça.
De tudo o que é do conhecimento público ressalta o seguinte :

1 - O Diogo andava a ser praxado duma maneira que vai muito além dos limites do razoável e do civismo.
Abandonar um colega nú, durante a noite, sem telemóvel e dinheiro, longe de casa é degradante.

2 - O Diogo morreu devido a uma brutal agressão que nada tem a ver com praxe. Tratou-se simplesmente de um crime.

3 - A agressão que motivou a lesão cerebral e consequente entrada em estado de coma, foi certamente efectuada na universidade, já que o Diogo se sentiu mal logo a seguir a estar a ser praxado.
Se foi a pancada dada com a revista ou outra qualquer agressão, não se sabe. Certamente que não houve intenção de matar, tratou-se possívelmente de um homicído involuntário

4 - É óbvio que dando entrada no hospital em estado grave e não havendo na altura suspeita de crime, as diligências médicas centraram-se no tentar resolver o problema, só uma autopsia pode, como aliás aconteceu, precisar todo o historial clinico. Não me parece portanto importante os relatórios que dizem ter desaparecido quanto ao estado do Diogo quando deu entrada no hospital

5 - No campo da hipóteses tudo é possível. Que posteriormente o Diogo foi agredido no hospital por determinado médico é tão hipotético como dizer que foi o maqueiro da ambulancia, a enfermeira de serviço, o empregado da limpeza do hospital, etc, etc

Anónimo disse...

continuação

6 - Quando o Diogo se sentiu mal dois dos seus companheiros presentes (Telhado e Tavinho )dizem ao tuninho Arrepio, acabado de chegar e que não sabia de nada, que vá ter com o Diogo à casa de banho. Que tipo de colegas são estes, que sabendo que o Diogo estava a sentir-se mal, o deixam sózinho numa casa de banho, sem lhe prestarem o mínimo de atenção e apoio?

7 - Se a tuna nada teve a ver com o assunto, porquê tanta atrapalhação? Convocar colegas ( O Bino recusou )para uma reunião para acertar uma história tal como se acertam os acordes de uma música?

8 - Os ultimos telefonemas foram apagados o telemóvel. A polícia poderia ter consultado a empresa dos telefones, mas porquê apagar os números?

9 - O Caramulo afirma categóricamente que o telemóvel e os documentos do Diogo estavam em cima de uma mesa na sala de ensaios, o Arrepio diz que foi retirar os mesmos do automóvel. Porquê estas discrepâncias? Quem não deve não teme. Em condições normais mal o Diogo se sentiu mal, os colegas acompanhavam-no, chamavam a ambulância e o assunto ficava arrumado. Não o abandonavam e não faziam reuniões e convocatórias que até incluiu o magister que estava em casa.

Anónimo disse...

continuação

10 - Na altura, muitos que tinha coisas a dizer não o fizeram por receio de represálias, o que é compreensível. Mas passados 8 anos, estas pessoas acabaram os seus cursos, arranjaram empregos, criaram família, têm ou terão filhoa, enfim, têm uma situação que lhes permite não ter medo de qualquer tipo de represálias. Antes pelo contrário, têm o dever de colaborar com a justiça daí o meu APELO A QUE QUEM TEM ALGO A DIZER QUE O DIGA. PODE SER AQUI COMO ANÓNIMO, NÃO SERVE PARA A JUSTIÇA MAS SERVE PARA ALIVIAR CONSCIÊNCIAS, AJUDAR A MÃE DO DIOGO E DE ALGUMA MODO FAZER JUSTIÇA.

SEJAM CORAJOSOS, INTEGROS E HONESTOS

Tuninho disse...

Komuna, ainda estou á espera que me respondas, aonde é que ainda foram, naquela noite.

Manuel Maria disse...

Apoio o apelo do anónimo à procura da verdade. Será que alguém tem alguma coisa a dizer?????

atthenas_ disse...

Para quem viu a reportagem que a SIC passou há alguns dias atrás, no Jornal de Notícias, tenho pena que não apareça no youtube, para todos poderem ver ou rever.Um dos amigos do Diogo contava que os deixavam nus, na auto estrada, faziam-nos andar 7 kms, nus, até umas bombas de gasolina.Confessaram que bateram no Diogo, com uma revista, que sabe-se lá o que teria dentro. E querem-me convencer que esta gente é normal?Por amor de Deus...E tem esta gente alguma credibilidade quando falam? E querem convencer quem, da inoçência destas brincadeiras? E depois a jornalista é que inventa historinhas?Então estes Tunos mal amanhados, gente da pior espécie, quer que acreditemos neles, quando fazem estas barbaridades e acusam todos os outros de mentirem?Mentem os médicos, mentem os amigos, mente a médica legista, mente a jornalista e mais quem?Eu apelo a quem consiga essa reportagem, que a coloque no youtube, para toda a gente poder perceber.Um deles até diz, que pode ser que sim, que tenha acontecido, mas ele não viu nada.Mas estava lá, e não viu, sofreu de cegueira momentânea.E espanta-me mais ainda, que os próprios Tunos, ao verem o Diogo a sentir-se mal, tenham mandado os Tuninhos á casa de banho, em vez de se preocuparem com um amigo e colega que não estava bem. E é esta gente que quer que os consideremos como tal? Já vi animais tratarem-se melhor. E depois os outros é que inventam histórias? Desculpem lá, mas vão ter que ser muitooooo melhores a inventar porque cada vez me convenço mais eu de que estão a derrapar.

Anónimo disse...

http://sic.sapo.pt/programasInformacao/scripts/videoplayer.aspx?ch=jornal%20da%20noite&videoId={E0F316EF-501A-4A7E-B63F-84FEED47DB40}

Anónimo disse...

esse é o link sobre o diogo macedo que passou á dias no telejornal da da sic

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

OH KOMUNA EU VOU POR AQUI E NESTE BLOGUE E NAO SÓ A TUA FRONHA PALERMA E CARICATA PARA TODAS AS PESSOAS PERCEBEREM QUE TE ESTAS A USAR DE UM NICK,, ALIAS VAI AS VOSSAS FOTOS TODAS PARA TUDO QUE É SIT... A VOSSA FAMILIA VAI TER VERGONHA DE SAIR Á RUA... TENS MESMO CARA DE ATRASADO MENTAL.. AS PESSOAS VÃO PERCEBER,, QUE TE ESTAS A SERVIR DE UM NICK.. OLHA QUE EU SEI QUEM TU ÉS..

atthenas_ disse...

Komuna,
Quando tu me chamas "ridícula" por um comentário que fiz e que continuo a achar que tem toda a razão de ser, o que poderei eu chamar a ti que punhas amigos a percorrer 7 kms, todos nus, a meio da noite na auto-estrada.É caso para dizer como o madeirense "Ai eu é que souê?"Rídiculos é muito "soft" para chamar a alguém que pratica este tipo de actos, ao abrigo de uma suposta praxe, que vos dá o direito moral de cometerem todo este tipo de atrocidades.Já reparaste que, se fosse eu ou outra pessoa qualquer a praticar este tipo de actos, seríamos talvez presos, por ofensa á integridade pública, ou algo do género. Porque razão, ficam voçês impunes, só porque inventaram que a praxe vos dá esse direito? A praxe não vos dá direito a fazerem mal ás pessoas, komuna, mete isso na tua cabeça de uma vez por todas.E por muitos argumentos que julgues ter, perdes logo a razão quando defendes (ou cometes) este tipo de actos. Tens razão, quando dizes, que não conheço os pormenores deste caso e agradeço todos os esclarecimentos que te tens dignado a prestar.No entanto, respeita a minha maneira de pensar quando digo que não há forma de me convenceres de que :
1. Os médicos mentiram;
2. As lesões do Diogo foram feitas depois de ele ter dado entrada no hospital;
3. A médica legista mentiu;
4. A jornalista inventou tudo;
5. As escutas não são comprometedoras;
6. Os amigos do Diogo (Tunos) estiveram do lado dele quando se sentiu mal;
7. Foi coincidência o médico que denunciou o caso ao MP suicidar-se 1 ou 2 meses depois;
8. O próprio tribunal não reconheceu a existência de um tal MURO DE SILÊNCIO por parte das testemunhas;
9. Conclusão : o Tribunal também mentiu.
O que é certo é que, na realidade, tudo isto aconteceu e, infelizmente, a testemunha MURO DE SILÊNCIO, em tribunal, foi quem mais falou.
Para corroborar tudo isto, e quando lemos os comentários aqui e em outros jornais, percebemos que, a tal testemunha MURO DE SILÊNCIO parece que existe mesmo.Há um Tuninho aqui, que já perguntou duas vezes a mesma coisa e ainda não obteve resposta.Parece que há mesmo quem saiba muito, mas que fala pouco.

Anónimo disse...

http://aaulusiada.hi5.com/friend/p90978324--Olavo_Almeida--html.. este link é a fotografia de um dos suspeitos pelo assassinato do diogo macedo..brevemente porei outros lincks.o prometido é devido

Anónimo disse...

http://aaulusiada.hi5.com/friend/p73106918--Nuno%20Thyrs--html
o link de um dos principais mentores da mentira. do assassinato do diogo macedo

Manuel Maria disse...

Muito obrigado Anonimo. Deus lhe proteja e o abençoe

Anónimo disse...

Algumas perguntas que eu gostava que vocês pessoas super inteligentes me dessem.
1-Como pode ter o Diogo sido violentamente agredido na Universidade se a mãe que o acompanhou desde que saiu de Famalicão, e passou uma semana no hospital no Porto com ele não viu nenhuma mazela?
2-Como pode o Diogo ter sido violentamente agredido na Universidade quando os maqueiros que o transportaram ao Hospital de Famalicão, e os médicos que o receberam não viram nenhum vestígio de violência, ao ponto de perguntarem se ele teria ingerido drogas ou alcool? Se ele tivesse entrado como a autópsia revela teriam perguntado se seria acidente ou agressão.
3-Como pode ele ter sido agredido daquela forma se durante uma semana em que foi acompanhado no Hospital no Porto, com a supervisão do seu próprio tio, nenhum dos médicos, enfermeiros etc levantou sequer a hipótese de ele ter sido agredido? Enfermeiros que o limparam, lavaram, mudaram de cama, etc.
4-Como pode ter sido ele agredido e no próprio funeral o tio (cardiologista do Hospital onde ele passou a última semana de vida)que o acompanhou desde que deu entrada, tenha dito para quem quis ouvir que ele não foi agredido, que se tratou de uma roptura de aneurisma.
As palavras da médica da autópsia são claras, o Diogo foi agredido horas antes da morte. Ele esteve internado 7 dias, se foi agredido horas antes da morte é porque foi no interior do Hospital...Queria que conseguissem contrariar uma das afirmações que fosse...
Obrigado pelo tempo.

Anónimo disse...

atthenas_ apenas vim aqui deixar-te uma mensagem muito rápida, sem precisar de te insultar covardemente como tens feito em tudo o que é forum na Internet, e porque falas em mim, sem teres o direito para o fazer.
-Que tal manteres o nick nos diversos fóruns?
Quanto aos outros que afirmam uma coisa que não presenciaram, imputando culpas e actos a pessoas que não conhecem, eu também não vou insultar. O insulto é a arma dos ignorantes, e dos que não têm argumentos.
Não acreditem em tudo o que lêm.
Este caso foi "montado" e infelizmente quem sofre mais com isto é a mãe do Diogo que (como é natural) continua à procura de um culpado para a morte do filho.
Vou deixar aqui só duas anotações porque como imaginam não li todas as mensagens:
A Autópsia a ser verdadeira, os actos nela descritos foram inflingidos depois da saída do Diogo da Universiade. Para os que não estão por dentro do caso, ele esteve 8 dias internado, a autópsia que diz que o Diogo foi barbaramente agredido horas antes da morte, mostra que o foi já bem fora da Universidade. Neste caso no Hospital de S. João. (nunca tinham pensado nisto??)
A Policia Judiciária investigou o caso, e acabou por concluir que não havia "caso"... A Tuna quer que o caso vá até ao fim, para se ver livre desta situação de uma vez por todas.

Nuno Thyrs - Magister à data dos acontecimentos

Anónimo disse...

Para verem o ridículo desta acusação feita à Tuna, a autópsia fala em várias contusões, uma vértebra partida, um testículo com mazelas, um sobrolho rasgado, entre outras coisas, e a causa disto segundo o inteligente Juiz, a par de muitas outras pessoas, foi uma agressão feita com uma revista. A revista é um jornal informativo, formato A3 que dobrado se torna numa revista A4, de papel normal com 4 ou 5 folhas. A pessoa que tocou com a revista no Diogo fê-lo em forma de cumprimento com a mesma velocidade que batemos nas costas de um amigo para o cumprimentar. Mais ainda, o Diogo depois desse episódio ainda se dirigiu a sala de ensaios e ensaiou por vários minutos. Como poderia uma revista e o toque em questão ter causado aquilo que atesta a autópsia? Vamos ser sérios, na altura o Diogo esteve mais de meia hora num corredor de Hospital, sem ser visto por nenhum médico. Se tivesse chegado agredido da forma que contam teria sido automaticamente assistido.

Nuno Thyrs

(uma coisa apenas, quem está a publicar as fotos de pessoas incorre num crime grave, esse que todos podem atestar, que é o de injúria. Um aviso à administração do site, se não tomarem uma medida e apagarem os comentários estarão a corroborar o mesmo, e serão alvos de accção em sede própria.)

Anónimo disse...

Para a filipa que deixou aqui um testemunho do que são as Tunas e remata acusando uma Tuna de um acto que não foi nem nunca será provado por não ter acontecido deixo apenas um voto:
- Que nunca te vejas envolvida numa situação destas, em que és julgada em praça pública por algo que não fizeste e nada do que digas é tomado em conta. (esta última frase até serve para todos os que opinam aqui)

Anónimo disse...

óh thirs eu sabia que andavas aqui escondido,, ou por outra, tanto tu como o komuna (veja-se na reportagem afonso) teêm capacidade oral e muito menos escrita,,para fazer testamentos neste blog... alguem neste blog se esta a servir destas alcunhas,olha e já agora diz-me onde anda O TARZAN O GORDO!!
JÁ ESCREVI ANTES SE O DIOGO MACEDO FOSSE UM FAMILIAR MEU VOCES JÁ NÃO RESPIRAVAM Á MUITO TEMPO..

Anónimo disse...

Para este último anónimo que não sabe escrever devo dizer que se decida...ou sou eu ou não sou... o tarzan o gordo não sei a quem te referes. Tivemos um toninho há uns anos que tinha a alcunha de Tarzan, que entretanto abandonou a Tuna, mas que continua a relacionar-se como todos os membros da mesma. Esse Tarzan entrou muitos anos depois do sucedido ao Diogo, e abandonou a Tuna por não ter tempo. Fala lá do que sabes... eu já vi noutros fórums ameaças de tudo e mais alguma coisa, feitas de forma anónima, e covarde. Eu posso dizer-te que sou o Thyrs verdadeiro, e se não acreditas quando te cruzares comigo pergunta-me e eu digo-te tudo o que aqui escrevi. Tenho a minha consciência tranquila, durmo de noite, sem pesos nenhuns.

Nuno Thyrs - Magister Tunau à data dos acontecimentos

Anónimo disse...

Sr Nuno9 Thyrs. Parece que ameaçar é a sua especialidade. Tanto quanto sei alguem forneceu um endereço que liga a um site que contém fotografias públicas postas com o consentimento dos próprio e estão acessíveis a qualquer pessoa. Eu que não sou registado no site, fui lá por curiosidade e vi o que quis sem qualquer problema.
De resto os nomes das pessoas envolvidas foram publicadas em diversos artigos. Resumindo, quem publicou as fotos foram os próprios e você não mete medo a ninguém.
Tanto quando me tenho apercebido, a maioria das pessoas que aqui têm opinado, gostariam era de saber a verdade e os defensores da tuna pouco ou nada têm feito para fazer qualquer esclarecimento. Limitam-se a dizer que é tudo mentira. Alerto para o facto de que uma coisa é ser inocente e outra ser ilibado por falta de provas o que não significa que não seja culpado.
Mas se realmente quer contribuir para o total esclarecimento da situação e inocentar a tuna responda às seguintes questôes :
1 - Acha normal deixar um colega que se está a sentir doente, sózinho na casa de banho e mandar outro colega que acaba de chegar ao local para ir ver o que se passa?
Escusa de responder que é mentira.
2 - Se a tuna nada teve a ver com o assunto, porque razão convocou reuniões para debater o assunto?
Será que também é mentira?
3 - Porque razão foram as ultimas chamadas telefonicas do telemóvel apagadas?
4 - Como explicar as descripâncias nos depoimentos nomeadamente quanto ao local onde estavam o telemovel e os documentos?
5 - O Diogo saiu de casa sem ser com intenções de participar no ensaio e nem levou as pandeireitas. Como é que você diz que ele participou no ensaio.
Esta assunto está muito confuso e as vossas atitudes nada contribuem para o esclarecimento da verdade.Antes pelo contrário

Anónimo disse...

Esqueci-me de mais um pormenor.
Não está em causa os maus tratos que foram infligidos não sabemos em que condições e em que data. Uma coisa é certa. A causa da morte não me parece que tenha sido os maus tratos. O Diogo chegou ao hospital em estado grave e o que possa ter acontecido aconteceu na universidade e aí não há dúvida que ele não teve por parte dos colegas a ajuda que deveria ter tido e que eventualmente poderia ter evitado o pior. Mas aí é que entra o tal muro de silêncio em que os poucos que posaam eventualmente ter alguma coisa a dizer remetem-se para desculpas e acusações algumas no mínimo ridículas

atthenas_ disse...

Nuno Thyrs, porque agora já deixaste de ser anónimo, apesar de aqui continuares a aparecer como anónimo, só passaste a assinar os comentários, tenho a dizer-te o seguinte.Eu uso os nicks que eu quizer, aonde quizer e como quizer, porque na net, toda a gente usa nicks ou alcunhas.A minha atitude "covarde" como dizes, porque uso um nick, encaixa em milhões de portugueses internautas mas, vindo da tua boca, parece-me um elogio.Eu sou covarde porque digo o que penso e tu não és covarde, porque usaste o teu "poder" de magister e praxista para fazeres mal a algunas dezenas ou talvez centenas de caloiros que tiveram o azar de passar pela tua faculdade.E tu não és covarde, porque despias os caloiros e os obrigavas a andarem nus e sem dinheiro, nem telemóvel (ver vídeos on line no SOL). E tu não és covarde quando abandonas um "amigo" que se está a sentir mal. E tu não és covarde porque chegas ao cúmulo de insinuar que o Diogo foi espancado no corredor do hospital.OBRIGADA PELO ELOGIO, mas a minha covardia não chega nem aos calcanhares da TUA COVARDIA.Vou ver o 2º vídeo que está on-line no SOL (ainda só vi o 1º) porque estou "mortinha" por ver a tua cara.Entretanto, aconselho-te a que escolhas bem os insultos que me fazes, como se fossem chapéus, e vamos ver a quem ficam melhor.Eu nunca disse que eras culpado da morte do Diogo, nem tu nem ninguém.Tu é que disseste que culpados eram : os médicos,o juíz, a jornalista, o pessoal do hospital, etc.Todos são culpados, menos os Tunos.Querem uma oportunidade para se ilibarem, como dizes? Parece que vão tê-la, pois a mãe do Diogo vai reabrir o processo porque tem dados novos, segundo a notícia do SOL.Faço votos, sinceros, de que a verdade venha á tona e, se algum dia se provar que tu não foste COVARDE eu terei a "COVARDIA" de te pedir desculpas aqui, com a minha assinatura.

Anónimo disse...

ó thirs tu disseste á mãe do DIOGO,, Á PORTA DO HOSPITAL, QUANDO ELE TE PERGUNTOU SE LHE TINHAM FEITO ALGUMA COISA NA TUNA, QUE NÃO SABIAS DE NADA, QUE NESSE DIA E A ESSA HORA ESTAVAS EM CASA DOS PAIS DA TUA NAMORADA,TANTO EU COMO TU SABEMOS QUE É MENTIRA,, ESTAVAS A DAR UMA KEKA COM A TUA NAMORADA DENTRO DAS PORTAS DA FACULDADE.. ÉS DO QUE EXISTE DE PIOR.. PARA A IMAGEM DA FACULDADE.. PASSO A CITAR.. TU NUNO THYRS.. NANDO (O GORDO) E O VINHAIS QUE ATÉ DEU UMA PALMADA NO GUITO DA TUNA. E SABES BEM QUE A FACULDADE INCOBRIU.. PORQUE ESSE GUITO ERA DO SACO AZUL DA FACULDADE.. OU TU JÁ TE ESQUECESTE DAS REUNIOES? OU TB SOFRES DE AMENESIA?VAI TE CATAR.. AGORA JÁ NAO APARECES COM ALCUNHA DO KOMUNA..E OLHA LÁ FUI TEU COLEGA DE CURSO,, E CONHEÇO AS TUAS LIMITAÇOES,, TANTO COMO ALUNO COMO ORAIS, SEMPRE FOSTE UM PESSIMO ALUNO!!!

Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Komuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

as kekas do thirs com a namorada, eram ás 2ªs e 4ªs feiras dentro da propria faculdade da lusiada de famalicão!! é um exemplo a seguir qualquer pessoa pode lá entrar levar a namorada e dar uma keka,, e o vigilante (cabanelas)até fecha os olhos..coitado do cabanelas,, o que ele queria era umas pingas.umas cervejokas..

Anónimo disse...

atthenas o thirs sempre esteve aqui no blog do m.a.t.a,, repare que o komuna deixou de comentar ,para ser ele o thirs a comentar,, se reparar na reportagem ve que o komuna( afonso)é desprovido de dicção.. nem o thirs tem a capacidade de escrita. fui colega de faculdade dos dois.. aqui anda uns outros dedos,a teclar.. como sou pidesco, e a minha area é investigação. vou investigar. mas penso que já sei quem é..

atthenas_ disse...

Obrigado Anónimo, eu só percebi que o Komuna e o Thyrs que comentam aqui, não são os verdadeiros, quando vi o vídeo.Efectivamente, percebe-se pela maneira como falam, que não são eles que escrevem, o que eu até acho uma certa graça.A mim chama-me covarde por escrever com um nick que é meu e eles que utilizam alcunhas dos amigos para os atirar para a fogueira (cá está, como são amigos dos seus amigos e do que são capazes)não são covardes. E ainda não disse aonde forma naquela noite depois do sucedido.O Tuninho deve ter alguma razão para fazer esta pergunta.

Manuel Maria disse...

Ó Komuna. És um tipo bem apanhado.
A mãe do Diogo, numa reportagem que passou na SIC e que ontem já tinha sido visto no site do jornal "O Sol" por mais de 8.000 (oito mil) visitantes, diz que o filho no dia em que foi praxado não tinha planeado ir ensaiar. Tinha até já vestido o pijam.Eis que, pensa-se que após ter recebido um telefonema, veste-se e avisa os pais que vai à universidade resolver um problema com a tuna. Não leva as pandeiretas nem avisa o amigo que o acompanha sempre aos ensaios e a quem dá boleia. Dizes agora que ele estava a ensaiar sózinho no hall que dá acesso às escadas..etc..
Mas isto faz sentido? Queres enganar quem?
São estas contradições que levam toda a gente a pensar que vocês não falam verdade e concertaram uma versão para os acontecimentos.
Já agora respondam ao anónimo que perguntam onde foram neste dia depois do acontecimento

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=sqpR7DPBwVs

colem este link e vao ver o video no youtube

Manuel Maria disse...

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=151034

Este site é o tal que tem o video que já teve mais de 8.900 visitas

Bastian disse...

Oh Komuna, subscrevo ao que o Manuel Maria disse...

então o rapaz ia-se pôr a ensaiar SOZINHO no hall?

"5. Quem disse que ele saiu de casa com essa intenção foi a jornalista 3 ou 4 anos depois do sucedido. Não sei se é verdade ou mentira, sinceramente é um facto irrelevante."

Isto depois da mãe também ter dito que ele não pretendia ir ao ensaio, e do amigo ter dito que o Diogo não o foi buscar?

E quem é que vocês tentam enganar com dizerem que não sabem de nada? A autópsia apontou diversas escoriações. Vocês dizem que o acharam na casa de banho, a sentir-se mal. Fazes ideia da violência que é necessário para o corpo ficar assim? Uma só queda não bastava... era necessário que caísse repetidamente no chão. O que, é óbvio, é completamente surreal!

Só resta uma hipótese: uma ou mais pessoa desancaram pancadas suficientes em cima do rapaz para ele ficar naquele estado...

E o médico que realizou a autópsia e fez queixa junto do Ministério Público? O mesmo que interferiu durante o funeral do Diogo. Que grande coincidência o sr. ter-se decidido suicidar logo depois de apresentar queixa sobre este caso.

Mentaliza-te, tu e os teus amigos da merda da tua tuna, que tudo nesta história cheira mal, cheira a esturro, e que ou vocês são culpados ou então há uma conspiração por parte da PJ, do juíz que ditou a sentença a favor dos pais do Diogo e do médico que apresentou queixa e realizou a autópsia ao rapaz.

Porque é óbvio! Vocês são vítimas e todas estas pessoas, juntamente com o rapaz que morreu, apenas armaram tudo isto para conspirar contra a tuna e contra a Universidade!

Bastian disse...

Mas... não te preocupes, porque como é impossível apontar os culpados, ninguém pode ir preso.

A vossa falta de formação e (quem sabe?) o dinheirinho dos papás já vos livrou da prisão ou de sequer ficarem com o cadastro sujo ;)

Anónimo disse...

Esse "médico maluco anti-praxe" é primo de um "PJ maluco a favor das praxes". Eu sei porque são os dois meus primos. Tenho a certeza que quem chamou maluco ao médico que denunciou o caso vai adorar conhecer o tipo da PJ e a sala em que ele trabalha. Marcamos o encontro, ou as meninas da tuna estão com medufe?

quem, em 2009-10-17 17:56:51

Anónimo disse...

Por Felícia Cabrita
A mãe de Diogo Macedo, o estudante do 4.º ano de Arquitectura que morreu em Outubro de 2001 depois de ter sido submetido a uma praxe violenta na Universidade Lusíada de Famalicão, vai requerer a reabertura do processo-crime arquivado em 2004, à luz de novos dados (COM VÍDEO)

Anónimo disse...

como se pode ver no video, se o diogo desse uma queda, ou varias quedas, era impossivel ter ematomas como aparecem no resultado da autopsia,, nem mesmo que tivesse caído de um 10º andar, esquecem-se que numa queda tinham que aparecer vestigios de ematomas nas pernas, não foi o caso, e os testiculos' cabe na cabeça de alguem ? que numa queda nao apareçam nodoas negras nas pernas, e apareçam nos testiculos? o diogo foi barbaramente espancado ate á morte..por um bando de vandalos sobre o efeito de droga e alcoolizados

Anónimo disse...

komuna mais uma vez demonstraste o teu mau caracter..E o teu espirito POBRE E PODRE ao chamares ao BINO de BININHA..

Manuel Maria disse...

O site do jornal "O Sol" acima mencionado já tem 9035 visitas o que significa que este assunto interessa muita gente e vai muito além do que se pensa.
Continua sem resposta a pergunta do Tuninho :
A onde foram na noite do acontecimento?
Se ninguem responte o Tuninha que sugira e logo se verá se alguém confirma ou não.

Anónimo disse...

O que os comentadores ainda não sabem, é que o magister da Tuna á época dos acontecimentos, tem a coragem de chamar covardes a pessoas que manifestaram a sua revolta no site do M.A.T.A.-Movimento Anti Praxe Académica, por este alegado homicídio.Chega a dizer que o Diogo, quando chegou ao hospital, não tinha nenhum hematoma, lesão ou escoriação, insinuando que foi dentro do hospital que lhe fizeram tudo aquilo que a autópsia revelou.Chama mentirosos a todos : ao médico, ao tribunal, aos jornalistas, etc.Só ainda não conseguiu negar que deixava os colegas nus, na auto estrada, obrigando-os a percorrer 7 kms, até aos bombas de gasolina mais próximas.Epaaaa ganda Thyrs, homem com um H dos grandes, ganda força, gandes músculos.Quem tem um homem assim faz de conta que tem dois.Sou eu sim, Thyrs,mais um nick , como vês.Se a Tuna não tem culpas no cartório, devem ser os primeiros a quererem ver o processo reaberto.

Joyice, em 2009-10-17 13:47:22

Komuna disse...

Caros comentadores,
Uma vez que, já não bastava duvidarem do que digo (que é um direito que têm), agora parece que perdi também a identidade... "eu afinal, não sou eu... acho que são outros que se fazem passar por mim"... (sinceramente, estou sempre a ser surprenndido... mas parece que isso também vende). Neste Blogue, tudo o que for dito contra Tuna outirar credibilidade a quem a defende, vende... nem que sejam insultos da pior espécie e covardia... nem que seja dito por quem pior tratava o Diogo na turma dele e na Universidade (mas isso também é só a minha opinião).

Venho só despedir-me deste Blogue uma vez que a mediação aqui existente faz uma arbitragem demadiado à "Pedro Henriques", com liberdades que eu considero irem muito para a além do insulto e má educação (principalmente ao meu amigo Thyrs que foi incansável no acompanhamento à família quando durante toda a semana em que ele esteve internado e muito mais... e isso ninguém o pode negar). Uma vez que quando não me sinto bem, retiro-me.
Mesmo assim, e apesar de tudo, faço-o deixando aqui o convite aos bem educados para um cafezinho onde podemos debater todo o assunto.

Cumprimentos.

Anónimo disse...

1. Ninguém adivinha quando outra pessoa tem um AcidenteVascularCerebral, e como tal, quando o Diogo, ou alguém diz que não se está a sentir muito bem não se vai toda a gente por a correr para o ajudar. (fosse ele toninho ou o Magister) Foi visto pelo colega a ambulância chegou pouco mais de 5 minutos a chegar.
2. A reunião foi convocada precisamente por eu não estar na Universidade, e querer saber o que se passou exactamente. Na altura falou-se em congestão, e eu queria saber se teria feito esforço físico, juntei toda a gente que estava para que me relatassem, o que cada um viu (nunca disse a mãe do Diogo que estava em casa dos Pais da minha namorada. Estava a jantar em Santo Tirso, e essa pessoa que continua a mentir dizendo que eu estava na Universidade tem graves problemas, uma vez que está mais que provado que não é verdade)
3- O telefone esteve na minha mão, e a bateria acabou, como tal ninguém podeira ter apagado númros num telefone desligado, e se o tivessem feito antes de ele chegar as minhas mãos a Operadora teria facultado a informação. Vocês vêm filmes a mais.
4- O telemóvel como disse foi-me entreguem, e naturalmente que se alguém o viu na Sala da Tuna, ele sendo-me entreguie a mim, mudou de sítio, e depois voltou a mudar quando saiu das minhas mãos. Que raio de argumento é este? Se o telemovel e a carteira não tivessem saído do carro vocês diriam que foi acidente? Mudavam a vossa ideia?
5- O Diogo apareceu na Tuna, como sempre para ensaiar e foi o que fez. Como digo vocês vêm filmes a mais. Alguém ia chamar o Diogo para depois o matar? Nem em filmes.
Eu gostaria é que alguém me respondesse às perguntas que fiz.
Não me vencem pelo insulto e muito menos pelo cansaço...
Nuno Thyrs

Anónimo disse...

Na noite do sucedido estive no hospital de S.João até me ser comunicado que realmente se tratava de um AVC,e que nos dias seguintes haveria novidades. Comuniquei com a família todos os dias, incluindo depois do seu falecimento. Tanto com o Pai, como com a Mãe e até com a irmã que me ligou a pedir para não continuar a falar com a Mãe pois isso só a fazia sentir-se pior. Achava que ela mais dificilmente ultrapassaria a morte do filho (como se fosse possível uma mãe fazê-lo) e eu respeitei. Em vez de atender 10 chamadas por dia, atendia uma ou duas. As pessoas que falam do que não sabem, que continuam a insultar sem conhecimento de causa deveriam tentar informar-se. Falem com pessoas que não são da Tuna e conhecem a realidade da mesma nessa altura. Vocês acreditam em tudo o que ouvem. Leiam bem as minhas perguntas, e confrontem aquilo que eu digo que é inegável.

Nuno Thyrs

Nuno Thyrs disse...

Uma coisa vos garanto, não vai aser por se repetir uma mentira muitas vezes que ela vai passar a ser verdade. Peço a quem conseguir explicar como pode uma pessoa ser espancada violentamente, ser visto,. revisto, lavado, vistoriado por médicos, enfermeiros, familiares, etc, durante uma semana inteira, e ninguém ter vislumbrado uma nódoa que fosse. Nódoas e escoriações essas que não estando lá no dia da morte, passam a ser visíveis no dia seguinte. Ninguém pode vir aqui dizer que durante o tempo em que esteve internado tinha qualquer tipo de marca que indicasse as agressões. Querem dizer que a Tuna se tornou num grupo de assassinos profissionais, meticulosos ao ponto de agredir uma pessoa,. nos exactos pontos e da precisa forma que não existissem hematomas até à hora da morte?? Filmes, vou voltar a repetir, FILMES...Contrariem-me...Ainda ninguém o conseguiu fazer...Atirar postas para o ar é fácil, quero ver isso feito com nexo...
Nuno Thyrs

Nuno Thyrs disse...

Ah e o outro Thyrs também sou eu. Por muito que continuem com a vossa falta de educação fundamentalista, eu vou continuar a falar daquilo que sei e vivi. Não de algo que me contaram, ou que vi "montado" pela Felícia Cabrita. Já pensaram que eu nunca fui convidado a falar, nem sequer para essa "jornalista"? Já tentaram perceber porque razão aquelas entrevistas que passam (completamente descontextualizadas) não foram feitas num programa ao vivo, sem cortes como eu pretendia?? Em que as pessoas respondem claramente ao que foi perguntado, e não são postas respostas dadas a outras perguntas. Vão pensando nisto.

Manuel Maria disse...

Nuno Thyrs
Admiro a tua capacidade em defender a tuna, o mesmo já não poderei dizer da desonestidade em ocultar factos.
1- Está provado que o Diogo não saiu de casa para ensaiar na tuna mas sim como resultado de uma eventual convocatória por telefone para fazer não sabemos o quê. Testemunhos da mãe e do colega que o acompanhava sempre aos ensaios bem como o facto de não ter levado consigo as pandeiretas
2 - Está igualmente provado por testemunhoa que o Diogo foi praxado, desconhecendo-se no entanto em que consistiu a praxe, se o Diogo foi agredido e qual a dimensão da agressão. Como foi na Universidade que se sentiu mal e a partir daí hospitalizado, algo correu mal e ninguém aceita fazer qualquer testemunho.
3 - É dificil de aceitar que ninguém tenha presenciado o que aconteceu durante a praxe,
prova-se sim que existe um muro de silencio impenetrável.
4 - Tu, Nuno Thyrs, não tens nada a ver com o assunto porque até nem estavas presente, o teu papel, presumívelmente, foi o de orquestrar, ou seja, pôr toda a gente a dizer a mesma coisa : "NÃO VI NADA"
5 - O único que poderia esclarecer qualquer coisa, era o tal médico Guimarâes, que se suicidou?? em circunstâncias duvidosas, pelo menos do conhecimento público, e que deu muito jeito na ocultação de eventuais factos.
6 - Tudo o resto são conjecturas que muito dificilmente serão aceites ou provadas. Resta-nos esperar que alguém tenha um remorso de consciência e resolva dizer qualquer coisa que ainda não se saiba.
7 - Para quem acredita em Deus, devo dizer que existe uma justiça divina. Não conheço nenhum dos internevientes. Não vivo em Portugal. Acompanhei por mero acaso este processo pelo qual me tenho interessado e continuarei a interessar. Para aqueles que os conhecem possívelmente já terão notado algo de justiça divina ou talvez ainda não

Vamos esperar pelos próximos capítulos

Nuno Thyrs disse...

Queria que perguntassem a quem tenha visto o Diogo desde que ele entrou na Sala da Tuna e até ao final da semana em que esteve internado e infelizmente faleceu, se em algum momento viram escoriações, nódoas negras, ou feridas abertas que não fossem apenas as que resultam de intervenções médicas. Perguntem, já que vocês sabem tanto do caso, até primos têm aqui e ali. Ninguém (tirando a mãe do Diogo concerteza) pensou mais vezes neste caso que eu. Se em algum momento eu suspeitasse que poderia ter acontecido algo de estranho naquela noite seria o primeiro a falar, e tentar desmascarar o que quer que fosse. Ainda para mais eu não estava presente, ou seja estaria a vontade para falar no caso. Continuo à espera que alguém responda. A atthena, ou vampira, ou lixívia ou como lhe chamam, vem cá outra vez dizer que eu disse que estava em casa dos Pais da namorada, quando segundo ela estava numa sala com a mesma namorada. Tudo isto é mentira, e se vocês que estão de fora parassem para pensar, esta raiva toda, de alguém contra a minha pessoa, tem que ter mais alguma coisa por trás...não terá atthena? Acima de tudo ponham-se de fora do caso, e analisem o que eu digo. Tudo o que eu digo é a prova de que seria impossível ter acontecido uma agressão daquele género naquela noite na Universidade. E talvez por isso a PJ arquivou o processo...

Nuno Thyrs disse...

Manuel Maria não leu nenhum dos meus comentários... Releia por favor, e dê-me a sua explicação para os factos. Como pode alguém ser barbaramente agredido e não apresentar mazelas? As acusações que o senhor faz são tão legítimas como eu dizer que está provado que o senhor é que matou o tal médico que fez a denúncia. Não acuse quem não conhece, falando daquilo que não conhece nem viveu. Toda a gente diz que ele foi praxado. Fez flexões, a única praxe exercida sobre ele nessa noite. Na tal reunião eu disse para quem estava que queria saber exactamente quantas flexões ele tinha feito, quem as ordenou, e porquê. Quando o processo arrancou eu disse SEMPRE a todos os que iriam testemunhar para se lembrarem de tudo, e nem sequer pensarem em dizer que ele não foi praxado. Nunca negamos isso.

Nuno Thyrs disse...

E para mostrar que vocês não percebem mesmo nada do que estão a falar, aquele médico que se suicidou nunca viu o Diogo, e surpreendentemente (como ouvido numa das entrevistas a outro médico) levanta uma suspeita sobre agressões, acertando inclusivé nos sítios das mesmas. Ora alguém que de um momento para o outro e sem conhecimento do caso, tem uma intervenção destas não vos parece suspeito? Eu acho qestranho vocês ainda não terem dito que o matamos para ele se calar, quando nós inclusivamente queriamos era que ele estivesse vivo para nos contar o que o levou a fazer tal acusação. Esse médico era conhecido entre os colegas por não ser muito "normal" inclusivamente um colega dele mudou o nome clínico que também era António Guimarães parã não ser confundido com ele. Perguntem o que quiserem, eu estou cá para vos ajudar. O melhor disto tuo é que vocês não ouvem (ou lêm) o que os outros dizem...não têm tolerância e abertura, mas eu continuo não se preocupem.
Nuno Thyrs

Manuel Maria disse...

Nuno Thrys
Lê os meus comentários e verás que não acuso ninguém. Levanto as suspeitas que todos levantam e continuo com dúvidas que me parecem não estar esclarecidas :
1 - Quem está a mentir quanto ao facto do Diogo ter ido ou não ensaiar. A mãe ou a tuna ?
2 - Não estava ninguém presente quando o Diogo se sentiu mal e possívelmente manifestou esta indisposição que foi a causa da sua morte? Porque não o acompanharam à casa de banho em vez de mandarem um tuninho acabado de chegar ao ensaio para ver o que se passava?

Quanto a mim não tenho outras dúvidas. Tudo o que se disser para além disto são meras conjecturas que podem ou não ser verdadeiras.

Nuno Thyrs disse...

Manuel Maria, vou tentar esclarecer mais um bocado, o Diogo pode ter saido de casa com o intuito de falar com alguém da Tuna, poderia estar cansado por ainda ser toninho, todos passam por essa fase eu também passei por ela. Mas o que é certo é que teve o comportamento normal de todos os ensaios. Se alguém vai para desistir, quando o mandaram encher ele teria comunicado a sua vontade e sairia a bem, aliás como aconteceu com outros colegas dele (Tunos e toninhos). Depois é muito natural que se diga que ele nem ia.
Quando o Diogo s sentiu mal, naturalmente qe estavam pessoas, mas ele dloou-se a casa de banho sozinho. Vou tentar explicar melhor, ele não caiu redondo no chão. Dirigiu-se a casa de banho. Imaginem o que seria estar a acompanhar todos os que num ensaio vão a casa de banho? As pessoas ainda não compreenderam uma coisa que nunca é falada na Comunicação Social (propositadamente), o Diogo estava perfeitamente normal, o ensaio correu de forma normal, quando eu liguei ao Komuna a dizer que estava a caminho, e como tal poderia começar a levar o pessoal para cima, para outra sala,ele comunicou-me que o Peras se tinha sentido mal, talvez uma congestão e que tinha sido levado para o Hospital. Nunca jamais em tempo algum se pensou em agressão. Nem os maqueiros, e o vigilante da Universidade que o viram no chão puseram essa hipótese. Se ele tivesse sido barbaramente assassinado como dizem alguns iluminados este cenário de congestão nunca se poria. Voces acusam pessos de bem de assassinar barbaramente um amigo, e de conseguir esconder o resultado das agressões durante uma semana. Ele esteve internado durante uma semana...

Nuno Thyrs disse...

Se lerem a autópsia que despoleta todo este caso, está lá escrito em Português, que as agressões que originaram a morte foram inflingidas poucas horas antes da sua morte. Ora ele esteve mais de 140 horas internado. Acham que a Legista se referia a poucas horas como 140?? Não se peocupem que eu não me canso de dar explicações. Perguntem o que quiserem, mas assimilem as respostas.

Diana P. disse...

Thyrs
Como já tinha dito antes, não vou voltar a falar sobre este caso. Em resposta às questões que colocas (exactamente as mesmas que o "komuna" levantou), peço-te é que leias os posts anteriores com atenção (particularmente 11 e 12 de Outubro, respostas aos comentários do "komuna", que entretanto já os retirou).

Nuno Thyrs disse...

Diana P. Li o primeiro parágrafo e da tua resposta e vê o que encontrei:

1 - ”A investigação da PJ não consegiu sequer provas para dizer que a lesão fatal tenha sido provocada por agressão...”
Antonieta Dias, a médica legista que o assinou [o relatório da autópsia], foi ouvida na primeira sessão de julgamento e reafirmou o que já antes escrevera: aquelas lesões "foram provocadas próximas da hora da morte" e "nunca poderiam resultar de uma só queda". A posição é corroborada e subscrita por um parecer médico-legal do professor Pinto da Costa.
Uma investigação da judiciária e um exame médico-legal são conceitos e factos distintos. Convém não os tentar misturar. (palavras tuas)

Leste a parte das agressões próximas da hora da morte? Se a médica tem credibilidade e a autópsia é real e correcta, então investiguem o que aconteceu nas horas próximas da morte...No hospital e não na Universidade. Porque é que só vos interessa aquilo que condena? E não o que iliba??

Quanto a tudo o que eu disse que ninguém me poderia contrariar não vejo muita gente a contrapor. Porque será?

Diana P. disse...

Aparentemente não fui clara.
Estás a ler as respostas aos comentários do komuna. Como estes foram retirados, há coisas que eu sei que possam ser difíceis de contextualizar, mas que pensei que compreenderias. Para simplificar, algumas partes (entre aspas)são citações do komuna, não são frases minhas. Peço-te que leias os meus 2 posts com atenção. Se quiseres MESMO, as coisas até se entendem. Se não houver vontade, aí é que já não se pode fazer nada.
Estão lá repostas e possíveis explicações para todas as tuas questões. Apenas me recuso a escrever tudo novamente.
E se não há mais pessoas a responderem-te não é porque não o consigam fazer. É porque (pelo menos no meu caso) estou farta de responder a argumentos mal construídos e apresentados de propósito para confundir as pessoas que não estiveram envolvidas no caso.
Mais uma vez, lê. Com atenção. E se responderes não contes com mais uma resposta minha. Já chega. Se queres assim tanto expôr as tuas dúvidas e se a tua ânsia de respostas é assim tão insaciável... porque não tentas colaborar com a família do diogo e reabrir o processo? Ou para ti a morte do diogo ficou esclarecida? Ah, é verdade, és o único que AINDA insiste no AVC hemorrágico (aquele que não apareceu na angiografia - que, como decerto sabes, detectaria um AVC - mas sim no contexto de uma fractura de uma vértebra cervical)...
Queres falar? Fala com quem tens de falar. Não é com o MATA, não é neste blog. Decerto saberás a quem te dirigires.

Anónimo disse...

Início da Sessão: sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

* MaRiA PiLar (vim_por_ti@hotmail.com)
* tavo@fam.ulusiada.pt (tavo@fam.ulusiada.pt)

(0:44) MaRiA PiLar: oi olavo á tanto tempo
(0:45) MaRiA PiLar: que é feito de voce?
(0:46) The following message could not be delivered to all recipients:

que é feito de voce?
(0:46) MaRiA PiLar: entrei no netlogo e vi que tinha removido o seu perfil
(0:46) MaRiA PiLar: vá dando noticias
depois de ter visto o video que esta a passar em mts sits. reconheci este energumeno:OLAVO ALMEIDA com quem teclei meses e dias a fim.. fazia-me confuçao ele passar 24 horas na net sempre em busca de companhia,e ao contrario do que ele diz no video ele não dormia.voces acreditam em COISIDENCIAS? ele abandonou o msn e o sit onde ele passava as noites(chat netelog)na altura que começaram a surgir noticias do processo do DIOGO MACEDO.CADEIA JÁ COM ELES TODOS E JÁAAAAAAAAAAAAAA

pilar

Anónimo disse...

ai que eles já retiram msgs do blog claro as contradiçoes são tantas que convem.

Anónimo disse...

Entrei ano passado para a Lusiada de Famalicão e quando vi este caso, interessei-me por me informar. Já tive oportunidade de conversar com elementos da Tuna e fiquei pelo menos confusa. Acho que se deviam deixar correr as investigações antes de se acusar alguém. Esse tal médico, que afinal não foi nada ele que fez a autópsia, sabia de facto mais sobre os hematomas do que a equipe clinica do Hospital? Mesmo estando ele fora de serviço? Também acho estranho.

Nuno Thyrs disse...

Maria Pilar fazia-te confusão ele passar dias a fio na net, e como tal é um assassino, mas ao que me parece tu fazias o mesmo. E pelo teu endereço de e-mail a intenção dos dois era a mesma. Ou seja ou são os dois assassinos ou não é nenhum? Vocês arranjam cada argumento.
Diana vou tentar situar os teus comentários, não penses que me vou calar por não me responderes.Volot a pedir que contrariem algo do que eu digo em relação às marcas das "agressões". Queria que alguém que acompanhou o Diogo nessa fase me dissesse que realmente ele tinha marcas visíveis de ter sido "barbaramente agredido".
Alguém com credibilidade como é lógico.
Fico à espera.

Nuno Thyrs disse...

Diana
Li atentamente os teus comentários, e tirando a parte em que falas em Praxes, compreendo a tua visão dos acontecimentos, e acho que terei todo o prazer em conversa contigo acerca deste assunto, uma vez que me pareces ser alguém mais acessível, no que diz respeito a debater ideias, assuntos. Eu no teu lugar faria as mesmas suposições. Mas eu não estou no teu lugar, conheço a realidade que envolve o caso, as pessoas, acompanhei tudo o que se passou desde a entrada do Diogo no hospital. Eu nunca defenderia uma instituição (Universidade, Tuna) que tivesse morto alguém nem que para isso tivesse de denunciar amigos meus. A minha educação e sentido de "bem" está acima de qualquer tramóia ou muro de silêncio. Não estamos a falar de um teste/exame que foi apanhado ao professor na véspera e em que ninguém se descose para acusar a fonte. Estamos a falar da morte de um amigo.
Para que percebas o porquê da minha certeza de que nada se passou lá dentro vou tentar mostrar-te como a Tuna funcionava na época (ninguém melhor do que eu conhece cada um dos elementos).
Se por algum motivo o Diogo se tivesse chateado com algum elemento da Tuna, e ainda que tivesse chegado a vias de facto, esse facto iria ser imediatamente divulgado pelos intervenientes. Vejamos que o Diogo não é encontrado numa casa de banho depois de ter sido agredido lá dentro...Ele desloca-se pelo seu próprio pé para a mesma, desce um andar para o fazer. E não morre imediatamente que é encontrado na casa de banho. Com uma suspeita de "indigestão" foi levado ao Hospital, e foi isso mesmo que me foi transmitido a mim no momento. Ou seja , até ao interrompimento do funeral NINGUÉM, pôs a hipótese de ele ter sido agredido. Nem mesmo aqueles que o acompanharam no Hospital. (continua)

Nuno Thyrs disse...

(continuação à Diana)
Isto para te dizer o quê, que não me cabe na cabeça que alguém seja barbaramente agredido, com as consequências que a autópsia revela, que ninguém assista, e que ele com a vértebra ofendida consiga pelo seu próprio pé deslocar-se um andar para a casa de banho. Mais ainda, imagina o que seria (como está descrito nas observações da Médica Legista) alguém ser barbaramente pontapeado por um grupo, e não ter sequer deixado um vestígio de sangue. Nem no local, nem no próprio Diogo. Nem os assassinos profissionais comseguem façanhas destas e um grupo de Tunos ia fazê-lo. Mais ainda, num grupo que é escolhido aleatoriamente (entra quem quer) iam ser todos assassinos, e ainda por cima se desconfiassem de algo iam ficar calados para proteger os amigos. Estamos vou lembrar a falar de uma morte. Alguém teria de falar. Ou acham normal ao fim de8 anos ainda estar tudo na mesma? (continua)

Nuno Thyrs disse...

(continuação à Diana)
Para ficares com uma ideia, eu não estava lá no momento. Mas era o responsável. O Diogo entra no Hospital, com uma teórica indigestão, e sai de lá entubado com um AVC (continuo a falar no AVC cronologicamente como é lógico). Eu como responsável quero saber o que se passou. E por isso convoco a reunião. Na altura não havia sequer a hipótese de crime em cima da mesa. Fi-lo porque não me sentiria bem em ter acontecido algo, ainda que fosse uma queda, e eu não estivesse dentro do assunto. O Bino nunca foi convidado para a reunião. Se queres saber mais, o Bino sempre foi dos que mais castigou o Diogo, e sabes porquê? Porque como companheiro dele de toninho, deveria ajudá-lo, e ele sempre se tentou safar das tarefas, à base de escova, não se importando se os outros teriam que as fazer por ele. Mas adiante, ele nem é assunto. Da reunião fiquei a saber que o Diogo fez uma série de flexões. Cerca de 50. Fiquei também a saber que durante a sua permanência na sala e enquanto estava a "encher" no momento de se levantar não se recordava do nome de um dos Tunos. Nesse momento outro dos Tunos que entra na Sala vê-o em posição de "encher" e pergunta quem é, ao saber ser o Pêras, desloca-se à sua beira e diz algo do género "ó meu artista, onde andaste este tempo todo??" ao mesmo tempo que com uma revista da Universidade, um desdobrável com cerca de 10 folhas,lhe toca na zona da cabeça. Nunca esse toque seria suficiente para o magoar sequer, e como tal ficou registado mas não fiz sequer caso. Nessa altura eu fiz questão de dizer a todos, que queria saber o que se passou, quantas flexões fez, com quem falou etc. (continua)

Nuno Thyrs disse...

(continua)
Ou seja, depois da reunião eu fiquei convencido de que nem sequer as flexões feitas deveriam ter originado algo como um AVC. (informei-me acerca do caso com pessoas competentes como é lógico)
Durante uma semana acompanho tudo o que foi acontecendo no Hospital de S.João. Não em corpo presente porque estava a trabalhar já na altura, mas pelo telefone. A notícia no funeral da suspetia de Praxe deixa-nos a todos preplexos, e a autópsia revelada pela PJ a mim deixou-me a pensar que se tratava de uma estratégia para levar alguém a falar. Não existe muro de silêncio, cada um dos elementos que estavam no dia são pessoas com sentimentos, se tivessem visto ou ouvido algo suspeito teriam falado. Não estamos a falar de um bando de assassinos que se diverte a matar uma pessoa e depois se cala dizendo nada ter acontecido. Os indícios mostram que seria impossível ter acontecido algo dentro da Universidade. Ainda pusemos a hipótese de ele ter sido agredido no trânsito a caminho, mas caiu por terra uma vez que a autópsia vem revelar que seria impossível alguém ter sido agredido daquela forma e andar pelo seu próprio pé.
Espero que compreendas o que vai na minha cabeça. Ser acusado durante anos de algo que eu sei ser impossível, não é fácil digerir. A Tuna não se importa minimamente que se continue com o processo. Que se investigue mais a fundo (se for possivel claro). Assim pelo menos iriam ate ao fim, e ficariamos com a certeza do que realmente aconteceu, desta forma somos nós os "culpados" sem que se conheça o quem, como, onde, e porquê...
Espero ter-te mostrado pelo menos o que nos vai na alma...

Manuel Maria disse...

Nuno Thyrs
Da minha parte não vejo qualquer razão para desconfiar das tuas declarações. Apenas sei o que vi na televisão e li em jornais e revistas. Se ninguém é capaz de as contradizer as tuas declarações tenho de as aceitar como boas.
Já agora, e apenas por curiosidade pessoal e considerando que não vejo na internet qualquer menção das condições em que se suicidou o médico Magalhães, o que parece nem chegou a ser notícia de jornal, gostaria se saber em que condições se suicidou. Como se suicidou e se deixou algo escrito. Volto a afirmar que é só uma curiosidade pessoal.

Nuno Thyrs disse...

Manuel Maria

A dada altura soube pelo Inspector da PJ que o médico se tinha suicidado. Tinha ouvido alguns rumores do caso, mas achei estranho demais. Mas acabei por confirmar que o mesmo aconteceu por ele. Não consegui que me dissessem como, quando, onde, ou em que circunstâncias... Apenas que se suicidou. As vezes paro para pensar e esta história parece um conto policial. O que é certo é que a PJ nunca (segundo sei) investigou a parte Hospitalar do caso, como seja os maqueiros, médicos que o receberam em Famalicão, S.João do Porto, a morte do António Guimarães, etc. Se forem ver ao despacho do Ministério Público aquando do arquivamento do processo, diz o seguinte: "não se encontra sustentação probatória para a tese de agressão". Isto porque chegou a um ponto em que se viu completamente "perdido"...talvez pelas mesmas perguntas que eu fiz já vezes sem conta. Se houvesse a mínima dúvida que fosse, teriam avançado para Julgamento, e isso nunca aconteceu. O processo ficou-se pela investigação. Não seria um "muro de silêncio" que iria acabar com um processo que segundo a maioria dos que não fazem ideia do que se passou, teria tudo para condenar a Tuna. Para os que dizem que havia influência da Universidade ou dos Papás, posso dizer-vos que fomos todos ouvidos como testemunhas, sem advogado, foram constituídos 3 possíveis arguidos (um que nem se encontrava lá, e não falo de mim) e tudo isto sem apoio de ninguém. Ou seja estavamos completamente sozinhos. Espero estar a servir para esclarecer o meu ponto de vista...

Manuel Maria disse...

Obrigado Nuno pela informação.
Da minha parte penso o seguinte. De tudo o que li ficam muitas dúvidas e interrogações, mas o facto é que ninguém até ao momento foi capaz de confirmar qualquer acusação ou dar qualquer pista que possa incriinar quem quer que seja. Apenas se levantam dúvidas e hipóteses e no campo das hipóteses tudo é possível. A partir daqui é apenas chover no molhado

Anónimo disse...

mas este debate parece conversa de idiotas.. principamente desse tal thyrs.. claro que não existia ematomas á vista..mas todos nós sabemos que existem formas de espancar sem que se notem as nodoas negras.foi o caso do diogo e que só apareceram no resultado da autopsia. é só saber ler e interpretar a autopsia. que para sorte deles e infelicidade dessa familia o DIOGO nao esta entre nós para dizer quem foram os tunos que lhe provocaram a morte..todos nos tb sabemos que na tropa e na policia o sistema de espancar sem deixar marcas visiveis era comum..
thyrs tu sustentas uma patetica defensora da tuna ..eu li aqui comentarios que não obtiveram resposta..só te enterras.. e é estranho que tenham la estado 20 tunos nessa noite e só tu e um tal komuna é que façam comentarios nos sits que visitei.onde andam os outros? e os que foram constituídos arguidos?tu nao defendes a tuna coisa nenhuma. só te defendes a ti mesmo.estas é com medufes de por a boca no trombone..

cumprimentos pedro faria

Nuno Thyrs disse...

Pedro Faria depois da tua frase "todos nos tb sabemos que na tropa e na policia o sistema de espancar sem deixar marcas visiveis era comum" penso que não preciso sequer de te responder. Estou a tentar falar com alguém que ouve, e não com quem insulta, acusa, incrimina sem ler o que escrevo. Eu não tenho que explicar nada a ninguém porque acima de tudo NINGUÉM foi formalmente acusado. Muito menos eu que não estava sequer presente. O caso acabou à nascença na investigação policial. Medo também não tenho, tenho sim pena que algum dia vos aconteça a vocês o que está a acontecer aos elementos da Tuna. Eu falo por mim, se respondo é porque ainda tenho alguma vontade de explicar, concerteza que os restantes elementos já estão fartinhos de ler estes comentários que por aqui e outros sites vou vendo, e nem perdem tempo a ler. Quem realmente interessa a esses Tunos conhece-os e sabe que não se passou nada do que pessoas como tu continuam a propagandear. Chegar ao ponto de comparar elementos de uma Tuna a polícias/militares treinados??? Há pessoas que às vezes caem mesmo no ridículo.

Pedro disse...

Eu não tenho que explicar nada a ninguém porque acima de tudo NINGUÉM foi formalmente acusado.

Ora disse e disse muito bem. Ninguém foi formalmente acusado.

Porque todos conseguiram arranjar as coisas de tal forma que há um silêncio em redor do que realmente aconteceu.

Ignora os nossos comentários que realmente podem partir duma opinião menos subjectiva. Mas e a do juíz que presidiu ao caso e atestou do voto de silêncio da tuna, da investigação da PJ ou do médico que se suicidou?

E porque não do Diogo, que quis desistir da tuna?

Porque coitadinhos de vocês! As pessoas já se suicidam ou limitam-se a morrer por morte súbita para que vocês fiquem mal vistos! É uma conspiração!

Nuno Thyrs disse...

Pedro, não querendo perder muito tempo consigo, quero dar-lhe os parabéns: o senhor acaba de resolver um problema de muitos séculos, de todos os que cometem crimes e foram castigados. Bastava criarem um muro de silêncio, ou seja daqui para a frente podem matar quem quiserem e no final se ficarem calados são ilibados. Que mente brilhante encontramos aqui.

Anónimo disse...

olha lá óh thyrs mas andas aqui a tentar enganar que? claro que foram constituidos dos arguídos o olavo e o armario. mas porque a historia teve muito tempo de ser ensaiada. ficaram por suspeitos.esses gajos e a familia deles ate deviam ter vergonha de sair á rua.. e tu tb ate devias ter vergonha de ir ao café. as pessoas ate olham para ti de canto.. como vez sei coisas!
e digo te mais ao ver a reportagem os tuninhos que que voces faziam deles empregadas domesticas , deviam-vos sentar todos no banco dos REUS!!! justificas-te de mais.

carlos

Anónimo disse...

thyrs conheces a lei do arrependimento? ainda vais a tempo.. colabora com a justiça. ou vais ter para toda a vida o fantasma que morte na tuna da lusiada de famalicão.

Bastian disse...

Oh Zé, deves ser mais optimista do que eu, se estes tipos que estão a meio ou a terminar o curso pura e simplesmente vão considerar-se culpados dum crime por volta desta altura.

Porque agora já não se arriscam apenas a ser julgados por homícidio (ainda que em segundo grau ou negligência) mas também por perjúrio.

Se não o fizeram antes iam fazê-lo agora? Admira-me que este thyrs sinta tanta vontade de se defender constantemente do que é dito.
Nós estamos errados. Já entendemos que é o que acha o Thyrs. Gostava de agora vê-lo a dizer porque é que:

o juíz está errado
a polícia está errada
o médico está errado

E já agora que diga também qual é a sua opinião para as lesões que a autópsia ao Diogo apresentou.

Responde a estas perguntas, porque se nós estamos fora do assunto e por conseguinte errados, gostava de saber porque é que as pessoas encarregues de investigarem e julgarem o caso também estão.

Mas, adianto-me desde já que desculpas mal tecidas para dizer que não têm paciência, ou... não tem por que responder... então poupa-te, porque só vais conseguir parecer mais culpado.

Anónimo disse...

venho aqui prestar o meu testemunho..sou vizinho da namorada de um tuno, e na altura dos acontecimentos. ela nunca imaginaria que este caso iria ter as porpoções que foi tendo ao longo destes anos.mas familiares dela diziam , á boca cheia que a praxe do diogo tinha sido feita de MÁ FÉ!!
antonio manuel

Anónimo disse...

se o fellini fosse vivo, já tinha desvendado este MISTERIO.. vai te coçar thyrs. deves pensar que aqui somos todos como tu. uns deficientes MENTAIS!!
PEDRO

Nuno Thyrs disse...

Continuo a gostar de ver que a maioria para dar opiniões só o consegue fazer insultando os outros. E eu é que sou o deficiente? Coitados...

Vou responder a todas as perguntas e seguidinho...

o juíz está errado? - O Juiz não julgou o caso da morte (por agressão) do Diogo mas sim o facto de a Universidade ter responsabilidade enquanto o Diogo se encontrava no seu interior. Ou seja não foi um julgamento de um crime, mas sim um pedido de indeminização por parte da família por danos causados. O caso que vocês falam de morte nunca chegou a tribunal. Este Juiz (e único que existiu neste caso todo) apenas condenou a Universidade por responsabilidade Civil e nao a Tuna.

a polícia está errada - A polícia diz aquilo que eu já transcrevi em cima, "não se encontra sustentação probatória para a tese de agressão". Parece-me é que vocês falam muito mas não sabem do quê. A Polícia arquivou o caso, por achar que não existia sequer a hipótese de o levar a Tribunal.

o médico está errado - depende a que médico te referes, se falas da que autopsiou o Diogo pode estar certo, a autópsia pode ser real e legítima, mas isso não significa que os actos foram praticados na Universidade, e ainda que tivessem sido praticados lá (já vos mosrtei porque seria impossível acima) não significa que tivesse sido alguém da Tuna a fazê-lo.

E já agora que diga também qual é a sua opinião para as lesões que a autópsia ao Diogo apresentou. - Pensei neste assunto durante muito tempo. Primeiro achei que se tratava de um caso fabricado por alguém para criar polémica com as Tunas, a Praxe e as Universidades, quem seria esse alguém não tinha ideia, pensei também ainda relacionado com o caso fabricado, que se trataria de uma necessidade de receber um seguro ou alguma indeminização... esqueci essa ideia e pus a hipótese de o Diogo ter-se sentido mal (por força do AVC) e ter caído nas escadas, ou de durante o ensaio (os pandeiretas ensaiavam muitas vezes em cima das mesas) ele ter caído de lá, de ele ter sido agredido pelo caminho numa rixa de trânsito, mas todas estas esbarram naquilo que é para mim o mais importante que é o facto de 1.as lesões não serem visíveis até uma semana depois (estámos a falar de escoriações) 2.Como poderia alguém com uma vertebra partida andar pela Universidade como se nada fosse??. Cheguei a por a hipótese de o médico que fez a denúncia por estar desiquilibrado mentalmente e se tratar de um cirurgião plástico ter inflingido esses golpes já no Hospital para criar o caso, e depois por não aguentar os remorsos ter se suicidado, até equacionei a hipótese de as pessoas da funerária terem sido mais descuidados a tratar do corpo, o que seria também pouco provável, mas como devem imaginar já pensei muito neste caso.
Acho que estou a mostrar que queroilucidar as pessoas, e apenas vi um ou dois comentaristas que querem saber mais sobre o caso. Todos os outros estão apenas interessados em insultar. Cada um faz aquilo que sabe. Eu hei-de continuar a dar as explicações que bem entender quando e onde quiser, porque sou livre de o fazer. E apenas o faço porque se num blog por exemplo como este eu conseguir fazer com que uma pessoa pense de forma diferente, compensa os insultos gratuitos dos outros 100.

Bastian disse...

Obrigado Thyrs, pela resposta.

Agora vamos ver porque é que ela é tão incoerente?

O juíz condenou a Universidade pela morte do rapaz. Fosse a morte um simples acidente decerto não o teria feito. Fosse alguém a trabalhar para a Universidade ou fossem vocês a fazê-lo acidentalmente, o facto é que houve culpa criminal de alguém. Logo há uma condenação com base nalgo.

O médico ser algum maluco é algo livre a discussão, porque aquilo que especulo é que ele tenha sido morto ou tenham arranjado material para o chantagear e levar a suicidar-se. Isto aqui é puramente especulativo.

Quanto a ele ser atacado fora da Universidade ou o estado do corpo ser resultante do descuido da funerária...

É que francamente... uma coluna partida não lhe permitia mover as pernas. Se partiu a cervical ele não podia sequer mover os braços!

O tipo de lesões que apresentava não resultam de um acidente (a menos que fosse atropelado!) ou levasse muita pancada em cima.

Se caísse das escadas conforme sugeres, TALVEZ ele pudesse ter ficado com a coluna partida, ou com algumas lesões. De novo é engraçado que o digam que tenham visto dentro das instalações sanitárias a menos que as escadas terminassem lá dentro. (com a coluna seccionada ele não se movia sequer)

Logo entre o momento em que a coluna dele foi partida e aquele em que afirmam tê-lo achado... não se deve ter passado muito tempo. É completamente recambolesco sequer sugerir que ele tenha sido atacado fora da faculdade.

E mesmo que a funerária se descuidasse e partisse um ou outro osso, talvez até mesmo a cervical, se fossem brutos o suficiente, depois do rigor mortis instalado, o facto é que as lesões que ele apresentava não podiam ter sido feitas post-mortem. Esse tipo de equimoses teriam de resultar de muita pancada que não se verificaria nem que fizessem dele saco de pancada depois de morto. O que, de novo, era também muito coincidente face a todas as pessoas que tivessem falhado antes.

Em suma: obrigado pelas respostas. Infelizmente elas não pegam e mais parecem uma tentativa de ver se o barro pega à parede.

Eu não estou a dizer que foste TU que lá chegaste e lhe deste a pancada que lhe partiu a coluna. Não sei se sequer lhe chegaste a tocar com um dedo que fosse. Mas o facto é que considerar que a tuna não foi, de forma alguma, responsável pelo homícidio involuntário do rapaz... é esticar tanto a imaginação quanto algumas das tuas respostas sugerem que tentaste esticar a tua a justificar sobre o que se passou.

Nuno Thyrs disse...

"O juíz condenou a Universidade pela morte do rapaz"
- errado, condenou a Universidade por segundo ele, a morte ter tido origem dentro das instalações da Universidade, e mesmo esta parte não está provada.
"Fosse a morte um simples acidente decerto não o teria feito"
- não está provado que existiu crime dentro da Universidade, por isso não podemos falar nas coisas desses modo, nem o juiz pôs o caso nesses parâmetros.
"Fosse alguém a trabalhar para a Universidade ou fossem vocês a fazê-lo acidentalmente, o facto é que houve culpa criminal de alguém"
- Espera mas afinal já tens dúvidas se fomos nós ou não?? Podes explicar melhor? Afinal existe a possibilidade de ter sido alguém dentro da Universidade que não a Tuna??

"Esse tipo de equimoses teriam de resultar de muita pancada"
- essa é a interpretação da médica legista, que nunca disse terem sido inflingidas dentro da Universidade, muito menos por quem. Volto a perguntar, e pelo que parece tu percebes do que falas, afinal tanta pancada e nem um único vestígio visível? Achas possível isto? Um grupo de pessoas, espancar alguém sem que nada o fizesse prever, e fazê-lo de forma a conservar as equimoses, etc, invisíveis durante uma semana??

"Em suma: obrigado pelas respostas. Infelizmente elas não pegam e mais parecem uma tentativa de ver se o barro pega à parede."
- respondi às tuas perguntas, não tenho como já disse que deitar barro nenhum à parede, os meus amigos estão fartos de e dizer que eu perco demasiado tempo a explicar coisas que ninguém ouve, para vos deixar a falar sozinhos... mas ao que parece(palavras tuas), tu próprio já pões a hipótese de ter sido alguém dentro da Universidade a agredi-lo, e para mim já é o suficiente.
Agora imagina que foi, e está-se a rir de nós todos. Por existirem uma série de hipóteses para o que aconteceu, não podes tu nem ningém dizer que foi a Tuna.
Eu não tenho necessidade nenhuma de estar aqui a dar explicações, não estava no momento, mesmo sendo o Responsável na altura, este tipo de situações são pessoais, não se pode culpar uma instituição por homicídio.

Tuninho disse...

Explique porque guardaram segredo dessa reunião. Komuna,eu já fui contactado,imagina por quem? Só digo quando responderes à minha primeira pergunta: Para onde foram alguns nessa noite? Será que ainda tens medo do bêbado do Tavinho? Ainda há gente nobre. O Arrepio, por exemplo. Bons sonhos Tavinho.

Bastian disse...

"errado, condenou a Universidade por segundo ele, a morte ter tido origem dentro das instalações da Universidade, e mesmo esta parte não está provada."

Uma pessoa até podia ter um acidente e morrer dentro do campus muscular. Podia cair dumas escadas e cair o pescoço e não era por causa disso que a Universidade seria acusada.

Anónimo disse...

imaginem o tavinho OLAVO ALMEIDA não para com as visitas ao meu perfil no hi5,depois de eu ter feito aqui um comentario, isto só demonstra que o complô continua a existir. ou ele vem aqui anonimamente visitar o blog, ou ja foi informado pelo thyrs e pelo komuna. que passei aqui informaçao sobre ele.
pilar

atthenas_ disse...

Thyrs, ao contrário daquilo que dizes, EU tenho lido atentamente os teus comentários e explicações, as quais agradeço, e se não tenho ainda comentado foi por questões de vida profissional.Relativamente ao processo de indemnização que a Lusíada foi condenada a pagar, foi porque ficou provado que a morte do Diogo ocorreu dentro das instalações da Universidade, caso contrário, e se não ficasse provado isso, o tribunal não teria decidido contra a Universidade.Isto, parece-me claro.Se a morte do Diogo ocorreu dentro das instalações da Universidade (como decidiu o Tribunal) é porque há provas de que, o que quer que tenha acontecido, não foi natural.Não vamos agora pensar que, sempre que morra alguém de morte natural, dentro de uma instituição, essa mesma instituição vai ser condenada a pagar uma indemnização.Decerto concordas comigo.Parece-me também que a hipótese do AVC foi colocada de lado, quando se verificou, pelos exames médicos efectuados, que não foi AVC.Foi apurado que, 2 das lesões encontradas, poderiam ter causado a morte ao Diogo. O que o Tribunal afinal concluiu foi que foi dentro das instalações da Universidade que o Diogo sofreu as lesões que o levaram á morte.Logo, há provas disto, para o Tribunal ter decidido assim, ou não?Logo,fica de parte a hipótese de ter sido "fora da Universidade" que tudo aconteceu.Há outra coisa que me intriga é que, se o Diogo não levou as pandeiretas, como afirma a mãe, e tu dizes que ele ensaiou, porque razão foram entregues á mãe do Diogo, posteriormente, o telemóvel dele, as chaves do carro e não as pandeiretas?Talvez até tu, Thyrs, não conheças toda a verdade, uma vez que não estavas lá, só sabes aquilo que te contaram, segundo dizes.No entanto, li, algures, que o Juíz Rui Texeira autorizou o levantamente de todas a chamadas de telemóvel a partir de 1998 para os processos que sejam reabertos.E, se assim for, talvez sejamos todos surpreendidos.Uma coisa é certa; Existe alguém "culpado" da morte do Diogo, tenha sido por negligência, por brincadeira de mau gosto, propositadamente, ou o que quer que seja, mas que é facto, é.Assim sendo, toda a gente gostaria que se fizesse justiça, quer para com os culpados, quer para com os injustiçados.E é só isso que se pretende.Não podes condenar as pessoas por quererem que se faça justiça.É um dever moral de todos nós e da sociedade em geral que tudo seja esclarecido.Para concluir, continua a ser importante que se saiba, para onde foram alguns, depois do ocorrido e tu não consegues responder.

Nuno Thyrs disse...

atthena_... "se o Diogo não levou as pandeiretas, como afirma a mãe, e tu dizes que ele ensaiou, porque razão foram entregues á mãe do Diogo, posteriormente, o telemóvel dele, as chaves do carro e não as pandeiretas?" - Foram entregues esses objctos porque eram os objectos pessoais que ele tinha no momento. As pandeiretas dele ficando em casa ou não, ele teria lá muitas com as quais ensaiar. Há sempre pandeiretas na sala da Tuna. Cada elemento tem as suas (que mais gosta, pessoais), mas existem mais na sala, para quem não leva. Eu muitas vezes vou ao ensaio sem o instrumento e lá pego no que houver e ensaio. Não me parece grande argumento de culpa ou não.
..."Para concluir, continua a ser importante que se saiba, para onde foram alguns, depois do ocorrido e tu não consegues responder."
Eu já disse onde estive até ir dormir, no Hospital de S. Jão no Porto. De lá fui directo para casa.Essa insinuação é caluniosa, senão quem a faz diria quem foi e para onde. Atirar uma pergunta assim para o ar? E mesmo que tenham ido a algum lado, que tem isso de condenatório? Já agora concluam as insinuações (não estou a falar de ti)...

tuninho - "Explique porque guardaram segredo dessa reunião"
Essa reunião não foi mantida em segredo por ninguém. Sempre dissemos que tivemos essa reunião.
"Komuna,eu já fui contactado, imagina por quem? Só digo quando responderes à minha primeira pergunta: Para onde foram alguns nessa noite?" - se sabes de algo fala, ou estás aqui para atirar coisas para o ar e criar insinuações gratuitas? Conclui a tua expressão por favor.
"Será que ainda tens medo do bêbado do Tavinho?" vocês lembram-se de cada uma... conclui os teus raciocínios por favor...
"Ainda há gente nobre. O Arrepio, por exemplo."
- Dou-me muito bem com o Arrepio ainda hoje, conheço-o muito bem, ele foi dos que mesmo depois do caso, continuou a usar a Tuna para se vangloriar... chegando ao ponto de dizer a muitos que já era Tuno quando já nem aparecia e isso era mentira. Se ele achasse que a Tuna matou alguém ia querer associar-se a ela??

"Bons sonhos Tavinho." o nome do Tavinho aparece depois de um telefonema anónimo para a PJ que acusou 3 pessoas de terem agredido o Diogo. Essa chamada anónima falou no nome do Taviho, e no de outros dois. Um deles nem estava na noite do Ensaio e só soube do caso no dia sguinte...Agora imaginem a credibilidade dessa acusa. Poderiam ter-se lembrado de outro qualquer. Imaginem o que passa alguém que é acusado de um crime e não o cometeu?

Bastian, certo, não discordei desse aspecto, respondes à outrapergunta que eu fiz por favor? Afinal pões a hipótese de ter sido alguém que não da Tuna?? Obrigado

André disse...

Thyrs, na eventualidade de não ser alguém da tuna, significaria que a morte dele não seria acidental, mas sim deliberada, resultante de um enxerto de porrada com o propósito ou não de o matar.

Mas para as lesões que apresentava teria de ser uma pessoa muito mais forte que ele, ou um grupo que o conseguisse submeter.

Não é fora do reino da possibilidade, mas atendendo a que existem muitos mais casos de acidentes resultantes de praxes mal feitas do que homícidio entre alunos, e de que no dia em questão a mãe do Diogo disse que este não ia aos ensaios para depois se arranjar e dizer que ia "tratar de uns assuntos" à Tuna, é naturalíssimo que os elementos da tuna sejam os principais suspeitos e testemunhas do homícidio do Diogo.

Nuno Thyrs disse...

André concordo consigo em quase tudo, mas pela autópsia, e acreditando no que ela diz, mesmo esquecendo a parte das escoriações "invisíveis" a parte do acidente fica fora de hipóteses.
Um acidente numa praxe não deixa uma pessoa num estado "como se tivesse sido barbaramente pontapeado". Um acidente numa praxe pode partir um dedo, deixar uma nódoa negra, ou alguns nervos (tal como qualquer brincadeira mal medida o poderia também ter feito).
O que se fala no caso do Diogo é um homicídio, logo fica de fora da praxe, e como tal qualquer pessoa o poderia ter cometido.
Eu apenas chamo a atenção de que existe essa possibilidade, e como tal não é justo afirmarem à boca toda que ele foi morto pela Tuna, muito menos falar em excesso de Praxe...

Vou só salvaguardar aqui mais uma vez, estámos no plano das hipóteses, porque para mim, o Diogo saiu da Universidade sem que tenha sido agredido. A parte da queda ainda posso acreditar que ele por vergonha não tivesse falado, agora se fosse agredido ele (tal como qualquer um de nós) tinha falado no momento.

atthenas_ disse...

Essa afirmação de que, e passo a citar "porque para mim, o Diogo saiu da Universidade sem que tenha sido agredido. A parte da queda ainda posso acreditar que ele por vergonha não tivesse falado, agora se fosse agredido ele (tal como qualquer um de nós) tinha falado no momento.", parece-me terrívelmente, terrível.Então sim, estaremos perante um crime, sem sombra de dúvida, por muito que, clínicamente, o Diogo já estivesse condenado.
Sem querer fazer filmes, porque não sei se o Diogo falou mais desde que entrou na ambulância, alguém poderia querer impedir que ele falasse, caso ele recuperasse a consciência.Quem, neste caso, poderia querer "silenciar" o Diogo( porque eu não consigo acreditar que um médico o espancasse, estando ele já em coma, para provar uma tese de uma qualquer anti-praxe - isso é impensável).Será que alguém teria medo do que ele falasse? Com isto, não estou a dizer que tenha sido A, B ou C, só digo que, assim, passa de homicídio por negligência a homicídio premeditado.

Nuno Thyrs disse...

atthenas_ o que eu digo é que pela autópsia nunca se poderia falar num homicídio por negligência. Homicídio por negligência poderia ter sido alguém o "obrigar" a fazer 1000 flexões e isso ter despoletado algum problema de saúde (o que como devem imaginar não aconteceu), ou ter-se visto que ele se estava a sentir mal por qualquer motivo que fosse (indigestão, o próprio AVC, etc) e não lhe prestar a ajuda necessária (no caso foi pedida imediatamente uma ambulância que chegou em menos de 5 minutos por o Hospital ser mesmo à beira).
Se o Diogo tivesse sido agredido como a autópsia relata para mim seria sempre um homicídio qualificado, não estou ver alguém estar à espera dele para o fazer e por isso o premeditado não se punha).
É precisamente o resultado da autópsia que me dá toda e mais alguma convicção que não foi nenhum elemento da Tuna que cometeu a agressão (a autópsia chega a falar de ter sido barbaramente pontapeado por um grupo de pessoas) e muito menos que tenha acontecido na sala da Tuna. Eu conheço as instalações. A quantidade de gente que entra e sai à noite das mesmas. Não só da Tuna como muita gente que vai estudar para as salas. Não me entra na cabeça que alguém (fosse quem fosse) conseguisse espancar o Diogo daquela forma sem que:
-ninguém visse (pelo movimento que àquela hora existia)
-ninguém ouvisse (numa pancadaria há sempre barulho, e como digo existia movimento nas salas contíguas, que dão acesso à sala da Tuna)
-não existissem vestígios de sangue nas salas (para alguém morrer de pancada, e não falo de uma pancada seca, mas do relato da autópsia)
-não existissem vestígios de sangue no roupa, nem no corpo (pelas mesmas razões do ponto anterior)
-os médicos de Famalicão não tivessem reparado em nenhuma das muitas hequimoses, escoriações fracturas)
-os médicos do Porto tendo-o lá por mais de 7 dias não tenham reparado em nada de anormal
-a família e os enfermeiros que o acompanharam durante uma semana e o lavaram não tenham visto um arranhão que fosse
.....
Lembro que não falo de não ter acontecido uma dos muitos pontos, mas todos ao mesmo tempo. Muito sinceramente, acham que isto é possível? Em vez de tentarmos arranjar cenários possiveis para o caso, porque não tentarmos elimiinar cenários? O cenário do espancamento de grupo, ou do simples espancamento individual para mim não se põe.
Conseguem perceber porquê?

Nuno Thyrs disse...

Na minha forma de ver, a PJ começou a analisar o caso pelo mais óbvio, mas a dada altura teve que eliminar cenários. E por essa mesma razão acabou por arquivar o processo. Porque esse cenário é de todo impraticável. Tudo o que envolve o caso, eu concordo é estranho, bizarro mesmo, mas se vamos entrar no campo das hipóteses temos que analisar o caso como ele é na verdade, e pensar em coisas que fossem possiveis de executar. Nem um grupo de assassinos profissionais conseguiria cometer este "crime perfeito" que a PJ se recusou sequer a levar a tribunal...

Nuno Thyrs disse...

Agora vou falar especialmente e apenas para o Anónimo Carlos para que ele possa continuar a acusar-me de me justificar (mesmo eu não estando a justificar nada, mas sim a desmistificar)
- "claro que foram constituidos dos arguídos o olavo e o armario. mas porque a historia teve muito tempo de ser ensaiada. ficaram por suspeitos" - Foram ouvidos como suspeitos esses dois e mais um até, que nem estava no ensaio nesse dia, os restantes estivessem ou não foram ouvidos como testemunhas. O caso foi arquivado antes de chegar a tribunal e como tal não chegou a existir uma acusação.
A questão da história ensaiada também é ridícula. Por vezes em crimes em que estão envolvidas 2 ou 3 pessoas, acabam por se contrariar a eles próprios e são apanhados a mentir, e num caso onde foram ouvidas mais de 20 pessoas nenhuma se "descoser" seria magistral. Já aqui falei para outro colega teu que descobriu o crime perfeito. Basta criar um "muro de silêncio". Os crimes deixam vestígios, têm um móbil, um quem, quando, onde, etc. Não basta ficar calado para que se apaguem todos esses vestígios. Se assim fosse aó alguém muito burro estaria preso...

"esses gajos e a familia deles ate deviam ter vergonha de sair á rua.." - frases que eu nem vou comentar por mostrarem o teu carácter.
"e tu tb ate devias ter vergonha de ir ao café. as pessoas ate olham para ti de canto..como vez sei coisas!" - tu és um autêntico poço de sabedoria, até descorreste por ti próprio que eu tomo café...

"e digo te mais ao ver a reportagem os tuninhos que que voces faziam deles empregadas domesticas , deviam-vos sentar todos no banco dos REUS!!!" - já lavei muita louça para Tunos, carreguei muito instrumento, servi muita comidinha, sempre porque quis, No momento em que quisesse desistir saia. A pessoa que fala das empregadas domésticas no vídeo foi com a Tuna, tudo pago para o Brasil durante 23 dias. A única coisa que tinha que fazer era lavar as camisas dos Tunos. (ele e os restantes, que fazem todos parte da Tuna ainda). E depois como não passou a Tuno quando achava que merecia, decidiu causar mau ambiente, e falar mal da Tuna. Logo ele que devia ter vergonha... porque mesmo sendo caloiro da Tuna fazia parte das Praxes da Universidade (não das da Tuna), e obrigava os caloiros/caloiras a isso e muito pior para conseguir este ou aquele número de telefone. Quem o conhece sabe que falo verdade. Não gosto de mentirinhas nem birrinhas de meninos.

justificas-te de mais. (mesmo assim não compreendes a minha posição)

carlos

Anónimo disse...

é muito estranho de facto. se apareceu a carteira do diogo o telemovel. onde anda a pandeireta?
MISTERIO!!

Anónimo disse...

oh thirs diz-me lá uma coisa tu tiraste direito na faculdade? até parece.. quando te sentares no banco dos REUS com essa treta toda nem precisas quem te defenda.

Anónimo disse...

lindissimo este espirito academico.porem os deixarem os toninhos na auto estrada e fazerem-nos ir ate ás bombas mais proximas para se embebedarem.isso só por si é crime.outro crime é obrigarem-nos a andar nus na via publica.um que tb devia ser processado e que com toda a certeza já era homem feito, e pai de familia devia ser o condutor, da camionete que os transportava, e que nunca denunciou estas barbaridades.se fizessem isso a um filho meu.eu comia-vos vivossssss.
fernando

André disse...

A julgar pelos testemunhos que surgiram sobre o que faziam a caloiros e tuninhos... também é razoável pensar que houve excesso de praxe, sim.

E com aquilo que as testemunhas afirmam não dá para excluir que houvessem um ou mais marmanjos da tuna que lhe enchessem de porrada.

Anónimo disse...

conheço este caso bem de perto era amigo do pai do diogo.sei que tanto o pai como a irmã nem admitiam que se falasse na tuna. tanto que no funeral eles queriam por a bandeira por cima da urna. e a irmã foi categorica no NÃO. eles estenderam as capas no chão. para a familia passar. todos se recusaram a passar. a unica e inocente que nem imaginava que nesse mesmo dia o caso do filho era assunto já dos jornais. escondiam-lhe as noticias .porque sabem que a MÃE do diogo é de caracter forte, e que e sabiam que se ela imaginasse que quem quer que fosse lhe toca-se num cabelinho.. tinham-se a ver com ela. e foi o que aconteceu.depois da mãe ter conhecimento do que esses energumenos faziam ao diogo. foi ao tribunal de v.nova de famalicão,participar(GRANDE MÃE).tb sei que a faculdade era para a MÃE do DIOGO que ligava.(estranho) voces nao acham.mas como dizia o pai. do DIOGO. que era a pessoa mais calma deste mundo.OLHA COM QUEM ELES SE METERAM.COM A MINHA MULHER..ELA NÃO DESISTE.(PARABENS Á MÃE DO DIOGO)(MÃE CORAGEM)
zé maria

Anónimo disse...

Sou da Tuna de Famalicão, soube deste site e venho cá só falar da fonte de algumas mentiras porque já me começo a fartar de encontrar comentários destes na Net (é escusado responderem-me porque não fiquei cliente, não volto cá mais):

Primeiro, todos esses relatos de Praxes "abusivas" não têm nada a ver para o caso, só vêm provar que os argumentos começam a escassear.

Segundo, foram praticamente todos relatados pelo Bino. Ora muito bem, vamos lá traçar o perfil do Bino (já é tempo de saberem todos de quem se trata). Foi Plícia do Exército na tropa antes de entrar na Tuna e todos os dias se queixava que a praxe na Tuna era muito "brandinha" porque na Tropa "é que era", auto intitulava-se "Magister dos tuninhos" para os praxar também (até lhes ensinou a marchar), teve vários Comas Alcoólicos sem ser com a Tuna, e não estava na Universidade naquela noite.

De facto, com as bebedeiras que apanhava fora da Tuna, está-se mesmo a ver que era preciso obriga-lo a beber. De facto, para quem já fez tropa esperava-se que fosse menos chorãozinho. E de facto, deve ter sido uma desilusão para ele as praxes da Tuna porque resolveu mistura-las com as da tropa e contar histórias mais interessantes.

Telefonem para a Universidade e perguntem pelo carácter dessa pessoa.

Já é tempo de saberem em quem estão a confiar.

Bastian disse...

A palavra de alguém que assina em anonimato não é digna de muita credibilidade e pode ter sido feito por qualquer pessoa.

Mas em resposta ao comentário sobre as praxes abusivas, tanto quanto me recordo, se de facto o Diogo queria sair e estava e isto foi reportado pela mãe.

É também pouco relevante estar a telefonar para a Universidade por dois motivos muito simples:

-a universidade foi condenada pelo tribunal da morte de um aluno dentro do campus (um crime, portanto e não um acidente);

-os principais suspeitos são elementos pertencentes à Tuna.

É de uma entidade que foi condenada a pagar uma indemnização por causa dum crime cometido dentro das suas instalações ou aos principais suspeitos de cometerem o mesmo que se espera que venha a verdade?

Palmas para a credibilidade dos teus argumentos.

Bastian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bastian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André disse...

Num áparte mais pessoal...

Ninguém é estúpido para não ver que há algo de muito errado com a história e com os argumentos que são apresentados.

Há muitas coisas mal contadas, e o mais certo é que nunca se chegue a apurar a responsabilidade criminal do que aconteceu. Melhor para os assassinos do rapaz. Sim... porque uma coisa seria haver um acidente involuntário e avançarem em frente e assumir responsabilidades.

Outra é haver um acidente que causa a morte de alguém e simplesmente calarem-se sobre o assunto.

Mas como já vem sendo hábito neste país a justiça é branda para com os criminosos, especialmente se se trata duma organização particular paga por "famílias de bem" providas de algum poder económico-social.

Acho que mais ofensivo ainda é que os pais dos criminosos e testemunhas que se tenham silenciado possam não ter feito nada para apurar a verdade, enquanto pais, isto é.

Porque houveram dois que perderam um filho, e garanto-vos... depois do meu irmão ter morrido há diversos anos, e ter visto em primeira mão o impacto que a morte dele teve na minha mãe, é NOJENTO que hajam pais dispostos a cobrirem o crime dos filhos que tiraram a vida ao filho de outra pessoa.

Merda de filhos, que possam saber o que realmente se passou e se calaram e merda de pais por serem coniventes com a situação.

Nuno Thyrs disse...

André se eu tivesse a tua educação diria :e merda de filhos e pais que acusam pessoas inocentes de terem cometido um crime.
Eu ainda não percebi o que vocês entendem por coisas mal contadas. Se me disserem que todo o caso é estranho, bizarro, que parece saído de um episódio do CSI eu concordo. Se me disserem que ao verem a notícia da felícia que ficam convencidos que foi alguém da Tuna que cometeu um crime eu entendo. Foi precisamente por isso que foi ela a "escolhida" para o fazer. Manipulou os testemunhos para deixarem a ideia que até os próprios puseram a hipótese de crime cometido pela Tuna o que não é verdade. Se ela se tivesse lembrado de apontar para o médico suicida, vocês hoje teriam uma ideia diferente do caso. Ou se entrasse pela ideia de negligência dos médicos também. Mas isso ela já fez muitos não lhe dava grande gozo. E como estava a ser paga, faz o que lhe pedem. Agora também vos digo que se analisarem o caso por fora, sem fanatismos, apesar de estranho, não conseguem dizer que foi a Tuna que o agrediu. Por isso eu falo em eliminar cenários por serem impraticáveis.
Não me parece que vá dizer muito mais a propósito do caso, quem esteve atento ao que eu disse percebeu o que tinha a perceber da minha convicção, os que querem apenas atacar vão continuar a fazê-lo e como tal não é para eles que falo.
Bastian, o que se fala do Bino é verdade. TUDO. O mesmo Bino que veio ter comigo a chorar dizendo que a entrevista dele foi descontextualizada, que não era nada daquilo que ele queria dizer. E para terem uma ideia, continuo a falar com ele, e ele comigo, por isso nem ele deve ter grande "medo" dos maus da Tuna, nem eu fiquei com ressentimentos do que ele disse. Ele fê-lo numa altura em que percebeu que tinha falhado o projecto de Tuno, e compreende-se que fique desanimado ao ponto de tecer os comentários que viram. Estão a ver na TV uma pessoa com cara de "inocente", "coitadinho" que foi abusado, etc...esse é o mesmo que esteve no Exército, contava histórias recambulescas de praxes militares, dizia-se o chefe dos toninhos, bebia com e sem a Tuna, e esqueceu-se de referir que o que ele falou de se embebedarem em meia hora é tão simples quanto isto, os caloiros estavam normalmente proibidos de beber álcool. Por vezes a "lei seca" era interrompida por meia hora. Nessa meia hora quem quisesse poderia beber álcool e fumar. Se ele se embebedava em meia hora, era uma escolha dele. Não vou debater aqui assuntos de Praxe porque temos ideias completamente antagónicas, e não é para isso que comento neste espaço. Foi apenas para corroborar o testemunho do "anónimo" que fala no assunto.
Para terminar, queria dizer que no dia em que o Diogo foi hospitalizado, foi um caloiro pela primeira vez ao ensaio... esse caloiro ainda é e será um dos nossos melhores Tunos. Não me parece que se tivesse acontecido algo ele teria ficado...Mas isto são só convicções como é lógico.

Anónimo disse...

ACOMPANHEI UMA MINHA AMIGA NESTE JULGAMENTO.E NUM DELES, QUE ASSISTI AO TESTEMUNHO DO BINO. NAO ME PARECEU QUE O BINO ESTIVESSE INTIMIDADO,SOU TESTEMUNHA DE QUE O BINO,DISSE EXCTAMENTE O QUE JÁ TINHA DITO NA REPORTAGEM DA FELICIA CABRITA.O JUIZ DEU-LHE CREDEBILIDADE..
paula

Anónimo disse...

O MINISTERIO PUBLICO DEVIA LEVANTAR ESTE PROCESSO.PARA QUE ESTE BANDO DE ANORMAIS NAO SE FIQUE A RIR DA JUSTIÇA QUE TEMOS. E A VER PELO QUE ESTA ESCRITO AS CONTRADIÇOES EM VARIOS SITS,ERA MOTIVO SUFECIENTE PARA ANDAR COM ESTE CASO PARA A FRENTE, E SERVIR DE EXEMPLO PARA ESTA E OUTRAS CORJAS QUE SÃO A VERGONHA DAS FACULDADES.
90.000 EUROS DE INDEMINISAÇÃO É UMA VERGONHA.NÃO HÁ DINHEIRO QUE PAGUE A MORTE DE UM FILHO, NO MINIMO DEVERIA SER 20.OOO POR CABEÇA.EM VARIOS SITS ONDE COMENTAS AINDA NAO CONVENCESTE NONGUEM OH THYRS.
antonio carlos

Nuno Thyrs disse...

Paula se assististe a parte do Julgamento deves ter conhecimento que se tratava de um processo cível. Ou seja que não se encaixa no quadro criminal. Completando ainda mais trata-se de um pedido de indeminização feito pela mãe do Diogo à Universidade, (que foi atendido em parte) sem que tivesse ficado provado (nem competia a este tribunal fazê-lo) se houve ou não crime e quais os seus autores. Este tribunal apenas analisou o facto de a Universidade poder ou não ter feito mais pelo Diogo (ou outro aluno qualquer), no que diz respeito à Praxe. No caso do Diogo, ou existiu Homicídio, ou não, e não podemos misturar isso com Praxe.
O depoimento do Bino não passa de mais um de muitos depoimentos (a favor da mae ou da Universidade), e acho graça que o juiz tenha partilhado com o tribunal que dava credibilidade a um depoimento em particular. Eu acompanhei as sessões e não ouvi nada relativamente a isso. Mas foi a tua interpretação que respeito.
Para ser muito sincero, estes casos de indeminizações confundem-me um bocado. Uma das partes pediu 210.000euros. A outra foi condenada a pagar 90.000euros. Afinal só tinha um menos de metade da razão relativamente ao pedido que fez? Mas isto também sou eu a pensar. Se o Tribunal entende que a mãe do Diogo tem razão deve obrigar a pagar a totalidade do que foi pedido.
Para a Universidade Lusíada não é mal feito, porque na altura, eu e os Tunos e toninhos da época pedimos que se tentasse a todo o custo reabrir o processo. Pedimos o apoio logístico da Universidade, que apareceu inicialmente mas que ao fim de algum tempo nos revelou que seria impossível reabrir o processo sem dados novos. Pareceu-nos uma desculpa, ou pelo menos que poderiam ter tentado mais. O que queríamos era que o processo em vez de ser arquivado fosse até ao final, e que se descobrisse o que acotneceu. Infelizmente sem dados novos não será possível fazê-lo independentemente da quantidade de processos cíveis que sejam realizados.

Nuno Thyrs disse...

Desculpe antonio carlos, a resposta é para a paula mas para si também, que a julgar pela escrita (o escrever em Maiúsculas e assinar o nome em minúsculas, trocar os i´s pelos e´s "credEbilidade" e "sufEciente" )devem ser uma e a mesma pessoa.

Anónimo disse...

QUANDO O FUNERAL FOI INTERROMPIDO UMA VEZ QUE JA RECAÍAM SUSPEITAS SOBRE A TUNA. A PJ NAQUELE PRECISO MOMENTO TINHA POR OBRIGAÇÃO DE OS INTERROGAR. AÍ SIM ELES NÃO TINHAM TIDO TEMPO DE COZINHAR A VERSÃO DELES..ASSIM COMO DEVERIAM TER INTERROGADO O MEDICO QUE DENUNCIOU.

ANTONIO CARLOS

Anónimo disse...

OLHA LÁ OH THYRS SE A FELICIA CABRITA INVENTOU ISTO TUDO COMO TU DIZES, PORQUE É QUE VOCES TUNA NÃO LHE POE UM PROCESSO? QUEM SABE SE NAO ERA UMA FORMA DE O REABRIR PARA SE APURAR A VERDADE..
SE UM FILHO ESTIVESSE A SER DIFAMADO, COMO É O VOSSO CASO,E ISTO JÁ SE ARRASTA Á ANOS ,JÁ Á MUITO QUE LHE TINHA POSTO UM PROCESSO.
ESTA BEM CLARO QUE VOCES NÃO LHE TOCAM PORQUE ELA SABE DEMAIS.E ACREDITO QUE ELA TENHA MUITO MAIS PARA CONTAR..
ANTONIO CARLOS

Anónimo disse...

thyrs estamos a falar de assuntos muito serios.não estamos no mundo do faz de conta.mas agora foste infeliz nesse teu comentario.tu não estas aqui, de boa FÉ, estas sim numa de espia,nem li os comentarios da comentadora paula. mas vou ler, e se tiver comentarios a fazer comento.
seja feita a sua vontade..
ANTONIO CARLOS..

André disse...

Boa fé Thyrs? Quando a tuna à qual pertences é vista como o grupo de principais suspeitos do crime?

Porque ainda que não estivesses presente aquando da morte do vosso colega, dependendo daquilo que saibas (e perssuponho que seja mais do que dizes) podes vir a ter problema caso tivesses omitido algo de importante, faz de ti alguém com tanto medo das consequências dum julgamento quanto os outros.

Mais uma vez... menos... ok? Não vamos tentar meter um barrete na cabeça dos outros. (já têm a PJ e os sistema judicial para isso).

E conforme disseram anteriormente, se a jornalista encarregue da entrevista realmente está errada então processem-na, porque não? Não está no direito dos media de difamarem com certo nível de impunidade, especialmente quando isso possa sugerir que um grupo de inocentes é culpado de homícidio.

A menos que, claro, haja algo na história dela que bata certo e na vossa não. É realmente de estranhar que com tanta gente envolvida nesta história, nem uma só pessoa da tuna se tenha apresentado para mover um processo por difamação e/ou danos morais à jornalista.

Ou será que têm medo de mover muito as águas?

Anónimo disse...

thyrs com esse teu comentario, de que estiveste em quase todas as seçoes, se é que tinhas alguma credebilidade neste blog,(nao é o caso)caíu por terra.tu deves-te achar o mais inteligente deste blog.tu eras testemunha da faculdade. e toda a gente sabe que uma testemunha nunca pode assistir a um julgamento em casa. nem antes nem depois de ser ouvido.quando for o dia da testemunha ser ouvida e na vez dela.faz o seu depoimento. e o juiz manda sair.mesmo nas seçoes seguintes nao pode assistir aos relatos dos outros testemunhos.e tu mesmo escreveste isso num outro sit.esse teu comentario. veio confirmar que estas aqui, a mentir e que se alguem tinha duvidas em alguns comentarios agora vai ficar com a certeza que és um MENTIROSO.
OLHA EU SOU A paula.nunca me chamaram ANTONIO CARLOS.

Anónimo disse...

nao é casa é causa..
mas tb te digo nao corrijo mais.penso que a maioria dos que estao aqui de boa fé.e nao corrigir falhas nos comentarios só tu é que o fazes.falta-te as palavras e partes para agressao..
paula

Nuno Thyrs disse...

paula, o que eu disse é que acompanhei as sessões. Ou seja, no final de cada uma ia sabendo quem falou e o que disse (ao pormenor normalmente).
Agora que chegou uma nova vaga de pessoas para insultar, entretenham-se a ler o que está para cima que assim escuso de continuar a repetir o que tenho dito.
Quanto à Felícia Cabrita eu não disse que ela inventou o que quer que fosse mas que dirigiu a reportagem para o lado que lhe apeteceu. Ela sabe fazê-lo. E foi paga para isso, está a fazer o trabalho dela (acho que até já escrevi isto mais em cima). A mim não me interessa estar a mover processos a alguém que eu sei se irá safar. Em Portugal o Juiz decide tendo em conta a notoriedade do arguido e do seu advogado. Neste ponto acho que concordam comigo. Ela tem processos de toda a gente e safou-se sempre, sabe-se lá como.
Para terminar António Carlos, se leu os meuis comentários deveria ter lido também quando eu falei na parte do Muro de Silêncio. Se o Muro de Silêncio servisse para ilibar as pessoas neste momento só os nabos estariam presos. Ou seja basta cozinhar uma versão e safo-me? Por favor...

Bastian disse...

Porque o tal "muro" de silêncio bastaria? Ou será que a ausência de provas que apontem para um único culpado tornam impossível culpar todas as pessoas da tuna pelo sucedido?

atthenas_ disse...

Thyrs, desculpa lá, mas essa agora correu-te mal.Falares mal da Felícia que é uma jornalista de investigação, de renome, e com provas dadas, desde o caso Ballet Rose, passando pela Casa Pia, não falando em outros que estão a decorrer, parece-me muito mal.A Felícia, se até hoje nunca foi condenada em tribunal, em processos de difamação (olha que não são assim tantos como isso, segundo vou lendo nas notícias, nem o próprio 1º ministro se atreveu a isso) é porque sempre conseguiu apresentar provas daquilo que afirmou.Ouvi a Felícia em entrevistas, nas quais afirmou sempre que NUNCA faz uma afirmação em jornal algum, a qual não tenha confirmado e das quais não possua provas documentais.Talvez por isso, nunca tenha sido condenada, não achas?Pagaram-lhe, dizes tu, para ela fazer isto?? Penso que deve ter recebido o salário dela, como qualquer trabalhador recebe, mas tu dás a entender que ela "foi paga" para fazer um "filme".Parece-me bastante injusto para com ela, que tem prestado um grande serviço ao país, denunciando grandes crimes, arriscando a sua própria pele, ao denunciar grandes nomes e com provas.É natural que um juiz, ou 2 ou 3, dêem credibilidade a alguém que, habitualmente, faz prova daquilo que fala e, estas coisas, ficam no cadastro de cada um, de forma muito positiva.A Felícia, não teria qualquer interesse em "crucificar" alguém que não o merecesse até porque, toda a gente conhece o seu grande sentido de justiça, doa a quem doer.Esta é a ideia que muitos e muitos portugueses fazem dela e mesmo além fronteiras, o seu trabalho é conhecido e reconhecido. Assim, Thyrs, não vás por aí, que tem picos ...

Manuel Maria disse...

Sou isento nesta matéria, não conheço nenhum dos intervenientes e nem sequer vivo em Portugal.
Como pessoa que vê o assunto de fora devo dizer o seguinte :
O Thyrs tem demonstrado (pode alguém pensar que será por interesse) vontade de esclarecer as pessoas. Responde mesmo quando é agredido verbalmente. Concordo com ele quando diz que este caso é verdadeiramente um enigma, mas o facto é que ninguém o conseguiu desmentir categóricamente de todos os esclarecimentos que faz. O que me surpreende é que ninguém seja capaz de afirmar o quer que seja contra a tuna. São sempre suposições por parte de pessoas que não intervieram no caso. Se existem testemunhas então onde estão elas? Existe uma mensagem dum interveniente neste blog denominado "tuninho" que já fez algumas ameaças de dizer alguma coisa mas que não passaram mesmo de ameaças. Se ninguém pode fazer mais do que suposições, então terão de aceitar, mesmo contra vontade, as afirmações do Thyrs.
Tenho realmente pena que nada se esclareça mas ninguém pode nem deve condenar sem provas ou apenas baseado em suposições.
Tenho dito

Anónimo disse...

Thyrs
28.09.2009
09:11
PortugalPrimeiro gosto de vos ver falar sem conhecimento de causa. Segundo esta condenação mostra o funcionamento da justiça em Portugal. Ganha o caso quem tem o advogado mais conhecido. Este caso foi investigado pela PJ e acabou arquivado porque falta de provas. Depois a Universidade é condenada por não ter feito o trabalho da Polícia?
thyrs é uma vergonha este teu comentario na pagina do jn.dás crebelidade á pj. e poes em duvida.a sentença do juiz.olha que não existe nenhum advogado acima da lei.eu se fosse pai do falecido faria o mesmo tb queria o que eu acha-se que era o melhor para o meu filho.até ía mais longe.comigo já todos voces tinham vomitado.eu sabia como abrir a vossa memoria
portugal

Nuno Thyrs disse...

atthenas_ a felícia tem a fama de ser uma excelente repórter, mas não faz jornalismo. Não estará sempre certa, nem sempre errada como é lógico. Pergunta aos colegas dela que sejam sérios e verás a resposta que tens. Nunca ela diria que escreveu alguma coisa que não estava sustentada. O que eu digo é que ela "inclina" a investigação para o lado que quer. A mim não me chamou (e ainda hoje não percebi porquê). Os outros que entrevistou, convidou-os para conversarem num bar de um hotel, onde os deixou à vontade, ofereceu bebidas e tudo, e depois de uma entrevista que ao que soube nem foi muito incisiva, "montou" a reportagem da forma que quis. Por exemplo, se ela me perguntar "Acha que seria possível alguém ter entrado na Universidade e ter agredido o Diogo?" e eu responder " Não vou dizer que não será possível, mas eu não vi", na montagem ela pode levar o espectador a admitir que a pergunta foi :"acha possível que algum dos seus colegas tenham agredido o Diogo?" estás a perceber o que digo? Não digo que o trabalho dela não seja válido, mexe em assuntos que estão protegidos e que devem ser revelados, também concordo, estou é a dizer que ela consegue levar as coisas para o lado que mais "audiência" lhe dá. Se ela queria mostrar o que se passou porque não quis fazer como eu sugeri uma entrevista sem cortes e em directo? Aí não haveria manipulação, e eu poderia também fazer umas perguntas. Não lhe dava jeito eu sei. Espero ter explicado.

Youri Paiva disse...

"a felícia tem a fama de ser uma excelente repórter, mas não faz jornalismo."

Meu, decide-te. Ou é uma excelente repórter e faz jornalismo ou não.

Eu surpreendo-me. Dizes sempre para falarmos com o x ou y - com a Universidade Lusíada de Famalicão, com colegas que não sei quem são, com jornalistas colegas da Felícia Cabrita (porque parece que tu sabes que a vão queimar - sabes muita coisa).

Na reportagem da SIC é completamente perceptível o que os teus colegas dizem. E mais: há coisas que por si só são crimes, como a obrigação de fazer flexões por tudo e por nada. É que o "ter de" não é igual a "querer".

Tal como há outras coisas completamente repugnantes que tu tens afirmado aqui. A "lei seca" (proibir uma pessoa de beber o que lhe apetece), com umas tolerâncias de 30 minutos (e isto também se aplica ao tabaco). As flexões constantes são completamente absurdas. Para não falar do abandono de colegas no meio do nada, nus e sem possibilidade de contacto - isto é completamente irresponsável.

Que há muita coisa por esclarecer neste caso é inegável, que o que parece ser mais provável é a Tuna estar envolvida no homicídio também não é mentira. Mas isso é algo para a Polícia Judiciária investigar se entender que existem condições para isso.

Mas que tu, Nuno Thyrs, não me mereces respeito algum pelas coisas que descreves que mandas os outros fazer, não há duvidas nem inequívocos. Aliás, o que vocês mostram ser - torturadores - não espanta ninguém das vossas capacidades para irem mais além.

Nuno Thyrs disse...

portugal, não sabes do que falas e eu vou explicar. Sabes porque foi a Universidade condenada? O que queria fazer prova a mãe do Diogo, e acabou por ser atendida em "metade" do pretendido? Que depois de tudo o que aconteceu a Universidade não investigou como tinha que investigar. Ou seja que não fez tudo o que estava ao seu alcance. Sabes o que quer isto dizer? Que a Universidade deveria ter descoberto ou ter tentado mais para saber o que aconteceu. E a menina que foi ao julgamento pode confirmar o que diz o acordão. Ora o que é isto senão fazer o trabalho da Polícia? Digo e repito, se a Polícia investigou e não chegou a conclusões tirando a que eu já escrevi aqui algumas vezes que "não se encontra sustentação probatória para a tese de agressão" como pode o Tribunal exigir que uma instituição de Ensino o faça? Foi isto que disse, e volto a dizer. Revejam os últimos casos em Tribunal neste País, os "grandes" casos. Vejam quem foi condenado, e de que lado estavam os famosos.

Youri Paiva disse...

Não desconverses. A Universidade foi julgada por apoiar e tolerar a praxe violenta que existia na Tuna.

Nuno Thyrs disse...

Youri Paiva, a propósito de Praxes como já disse em cima não vou comentar, muito menos entrar em conflito contigo, porque temos posições antagónicas e não me parece essa a questão aqui.
Quanto à única coisa que falas do caso:
"a felícia tem a fama de ser uma excelente repórter, mas não faz jornalismo."

Meu, decide-te. Ou é uma excelente repórter e faz jornalismo ou não.

lê o que eu digo, eu posso ter fama de ser o melhor central do Mundo e nem saber jogar futebol...vocês quando querem atacar e não têm como nem lêm o que os outros escrevem.

Youri Paiva disse...

Ora bem, um defesa central é um futebolista, logo sabe jogar futebol. Se é bom sabe jogar bem futebol. Vá, isto é básico.

Mas o que me interessa mesmo é discutir a praxe. Praxe que agride, explora, tortura e - possivelmente - mata. Discutir o caso do Diogo Macedo contigo parece-me inútil, estás sempre a inventar umas desculpas, a simplificar umas partes, e eu não tenho interesse em investigar porque não sou investigador, logo não sou um bom investigador. Queres falar sobre o caso aconselho-te a dirigires-te a um polícia, a um jornalista, a um investigador, a alguém competente nisso. Mas discutir a praxe, aquela que parece que ainda por cima abusas e esticas até ao limite máximo do deplorável, interessa-me bastante.

Porque já sabemos que te vais enterrar nesse assunto (a praxe), não é?

Anónimo disse...

rs
28.09.2009
12:06
PortugalNão vos parece estranho que o Diogo tenha sido autopsiado primeiramente sem que nada tivesse sido encontrado, e que depois de uma denúncia de um médico (que pouco depois se suicidou) a autópsia tenha revelado uma série de contusões?? Durante uma semana ninguém viu e depois apareceram tão repentinamente?
thyrs mais uma mentira das tuas. o diogo saiu do hospital com uma certidão de obito. não foi autopsiado como dizes neste teu comentario no jn.toda a gente que segui esse caso. ou viu o video sabe que o funeral foi interrompido.porque havia suspeita de crime.saiu da igreja para ser autopsiado.fazes comentarios sem conhecimento e este é um deles.se conheces o caso assim de tão perto.nao devias andar a mentir por outros sits. este teu comentario é teu no jn em 28.09.2009.é feio mentir. se estivesses interessado em repor a verdade nao andavas por outros lados a confundir os comentadores.

portugal

Youri Paiva disse...

Exacto, por isso mesmo é que não faz sentido ligar às tuas explicações. Deturpam factos.

atthenas_ disse...

Então Thyrs? Se tu disseste sempre que não estiveste lá, porque é que a Felícia havia de falar contigo. Supostamente, não eras testemunha de nada mas, se tinhas algo para dizer, porque não a contactaste tu, no sentido de esclarecer as coisas?Quanto á "dor de corno" dos jornalistas, é merecida. Ela escreve livros, ela é referenciada na imprensa estrangeira, ela ganha prémios. Até eu tenho dor de corno daquela mulher. Mas porque não lhe pedes os originais das entrevistas para televisâo?As entrevistas não aparecem completas, na reportagem, como é óbvio, o que seria muito extenso.Talvez fossem muito mais esclarecedoras para todos e talvez pudessemos deduzir a "tal inclinação" de que falas.Para mim, é claro que, a informação que existe para o público, não é nem metade da informação de que dispõe a jornalista.

Nuno Thyrs disse...

Portugal, acho que toda a gente percebeu o que eu disse. Que lhe foi atribuida uma causa de morte, feita por médicos que o acompanharam durante uma semana, e que depois de repente tudo mudou...O que muda o facto de ter a palavra autópsia? Não consigo ver ninguém a contrariar os FACTOS que eu vou dando, apenas a atirar acusações facílimas de fazer para o ar, e insultos. Nada mais.

Youri Paiva praxei, praxo e hei-de praxar sempre com mais educação e respeito do que tu demonstras aqui. E tal como já te disse não discuto praxes, se não queres falar do caso não faças perguntas.
Estou a tentar dar a minha visão das coisas acerca de um caso que me diz respeito.

Nuno Thyrs disse...

atthenas_ e tu achas que se ela tivesse mais alguma coisa que não ia mostrar? Pensei que a conecesses melhor. Várias pessoas que não se encontravam no dia foram convidados, eu era o responsável na altura, não te parecia lógico ter sido convidado?
Fiquei à espera, porque ela ia ligando e marcando as entrevistas, e não chegou à minha vez. Se tu fosses a jornalista não quererias falar com o responsável máximo da Tuna?

Anónimo disse...

AI QUE SE FOSSE COM ALGUM FAMILIAR OU AMIGO EU DAVA-VOS A PRAXE AI DAVA DAVA..PUNHA-VOS A FALAR EM DOIS TEMPOS.

atthenas_ disse...

Ó Thyrs, não estejas sempre a dizer o mesmo, que ninguém contesta as tuas afirmações ou declarações ou explicações ou o que quer que seja porque, se algum de nós aqui soubesse, o que efectivamente se passou lá, também a polícia saberia e os tribunais e já não estaríamos aqui a discutir o assunto.Factos : Querem mais provas do que a decisão do Tribunal, da autópsia da médica e do parerer do médico legista Pinto da Costa? Se já não acreditamos na ciência, será que temos que ir á bruxa? O Thyrs é apenas o mandatário. Nem esteve lá, talvez tenha sido o "escolhido" para este papel". Quem não esteve, não sabe, não viu, escreve por fé ou foi à bruxa. Ele só sabe por terceiros.Ninguém pode contestar as tuas declarações, mas pode duvidar, ou não? Nem estavas lá ...

Youri Paiva disse...

Nuno Thyrs, tu tens um problema com as palavras. Eu não andei em Medicina, mas dar uma causa de morte com os dados existentes sem autópsia é completamente diferente do que com autópsia. É o que me parece.

Sobre o respeito que mereço é me indiferente o que tu pensas. As tuas considerações sobre mim são, para todos aqui, completamente irrelevantes. Até porque a tua noção de respeito é um pouco sádica.

Mas foge das questões todas, sejam as do caso, sejam sobre a praxe.

Anónimo disse...

ai tu eras o responsavel da tuna?e eras dos que os deichava na auto estrada. és um aborto de caracter.vai trabalhar malandro.pareces o policia do blog.
a lusiada devia-te contratar para a defenderes em vez de ter contratado um outro advogado.
santos

Nuno Thyrs disse...

Um abraço para si também sr santos.
Acho que já esclareci quem realmente estava interessado em saber mais da nossa parte. Não vou estar aqui a repetir tudo de novo. Eu não fui o escolhido para falar de nada, não tenho que dar satisfações a ninguém, seria muito mais cómodo deixar-vos falar e nem me interessar uma vez que todos nós continuamos livres e sem nenhum processo contra. Simplesmente gosto de (pelo menos para quem quer ouvir) deixar o meu grito de revolta pela situação.
Eu por não estar no local não sei de nada, e vocês que nem conhecem o local nem as pessoas já sabem? Coerência pede-se.
E aqui acabo a minha incursão neste blog, onde existe pouca tolerância, muita falta de educação e que se safa porque vai tendo um ou outro visitante que consegue dialogar. Nunca quis mudar a ideia que têm da Praxe a ninguém, sei que não o conseguia, nem seria essa a minha intenção nunca.
Como é lógico vou continuar a visitar o espaço, e sempre que algum dos que estão realmentwe interessados em saber mais do que nós temos a dizer vou responder... os outros podem continuar a insultar, sabem que não me chateiam minimamente? Eu sei o que sou, o quanto valho, e não me deixo levar pela vossa (volto a frisar não de todos) falta de educação.
(repararam que as minhas perguntas ficaram quase todas por responder??)

Youri Paiva disse...

Nuno Thyrs, continuas com a mesma estratégia. Eu não faço ideia do que se passou nessa noite, mas há muita coisa por esclarecer e tu não esclareces nada, népia, nickles. Andas por aí a lançar contra-informação, táctica utilizada em qualquer guerra mais ou menos mundial. Lanças meias-informações para criar confusão, esperando que assim tudo fique de acordo com a tua verdade.

Mais uma vez, são poucas as pessoas não anónimas aqui que te/vos acusam directamente de algo. Mas praticamente todas essas pessoas têm duvidas que não esteja relacionado com a tuna de alguma forma. É natural tendo em conta a informação que temos sobre o caso e apercebendo-nos da tua campanha de contra-informação (ex: a suposta existência de duas autópsias, de as agressões se terem passado pouco antes do desligar das máquinas.

Não, não reparei. A Diana P. respondeu a várias das tuas questões e outras são simplesmente contra-informação, meras coisas sem nexo absolutamente nenhum.

atthenas_ disse...

Agora sim, Thyrs, estás a desviar completamente.Nunca ninguém te acusou aqui de nada, até porque nem estavas lá, certo?Inclusivamente agradecemos os teus esclarecimentos, certo? Não sabemos de nada, porque não estivémos lá e por isso temos tantas dúvidas.Normal, não achas? Tu próprio admitiste o "bizarro" da situação, que há coisas por esclarecer, tenha ou não a ver com a Tuna.E agora vens dizer que te acusamos e que nem tens nada a ver com tudo isto.Não é verdade isso que dizes, Thyrs.As únicas acusações que vi fazerem aqui contra ti, foi relativamente as praxes abusivas, porque essas tu próprio as admitistes e cada um é livre de ter a sua própria opinião sobre esse assunto.Acusarem-te aqui, da morte do Diogo, ninguém o fez e depois desconversas, fazendo-te de vítima e de coitadinho, para que todos tenham pena de ti que estás a ser inustiçado.Por amor de Deus Thyrs, poupa-me aos teus desvarios de homem com grande coragem, que até dá a cara pela defesa de uma causa nobre.Louvo, o facto de dares a cara, mas a causa não é nobre.Admite, pelo menos, os teus erros, que foi coisa que nunca te vi fazer aqui.Pelo contrário, afirmaste que "praxaste, praxas e vais continuar a praxar".Peço-te apenas, que quando o fizeres, fá-lo quando estiveres sóbrio, para que as situações não te saiam fora de controle.Ficava-te bem, sabes, admitires que erraste, por excesso de zelo, nessa tua saga sem fim, em defesa da praxe.Fica bem, dentro do possível.

Nuno Thyrs disse...

atthenas_ podes por favor explicar-me ao que te referes quando dizes que eu devo admitir que errei?

«O mais antigo ‹Mais antiga   1 – 200 de 287   Mais recente› Mais recente»