quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Vitória no julgamento de Ana Santos

É com prazer que sabemos da notícia. Mais um desfecho de um caso que prova que a impunidade já não é uma realidade. Casos destes, que parecem excepcionais, revelam como entrar na "brincadeira das praxes" é entrar um espaço de come-e-cala em que uns tontos julgam que podem mandar comer e calar a seu bel-prazer, abrindo portas à estupidez, à falta de espírito crítico, às pretopências de alguns em nome do bolorento e indesejável valor hierarquia, ao abuso e à violência.

Aqui fica a notícia:

Relação de Évora condena praxes violentas

Sete castigados por barrar face de aluna com excremento de porco na Escola Agrária de Santarém

ALEXANDRA SERÔDIO

O Tribunal da Relação de Évora confirma a condenação de seis jovens acusados de co-autoria de um crime de ofensas à integridade física qualificada e um outro de coacção. Em causa está uma praxe na Escola Agrária de Santarém.

Os juízes-desembargadores declaram "improcedente" o recurso interposto pela defesa dos arguidos e mantêm "a sentença" proferida pelo juiz do Tribunal de 1.ª instância de Santarém, a 23 de Maio de 2008. Seis jovens foram condenados por co-autoria de um crime de ofensas à integridade física qualificada. O sétimo foi condenado pelo crime de coacção. As penas de multa variam entre 640 e os 1600 euros.

Este caso remonta ao ano lectivo de 2001/2002 na Escola Agrária de Santarém. A 8 de Outubro, os veteranos levaram os caloiros para a Quinta da Bonita, propriedade do estabelecimento de ensino, para apanharem nozes. Um telefonema da mãe que Ana Francisco atendeu terá motivado "o castigo".

A jovem foi "barrada" com excrementos de porco na face, pescoço, peito e cabelos, e obrigada a fazer o pino sobre um bacio cheio de bosta.

Os juízes do Tribunal da Relação de Évora referem que a conduta dos arguidos - membros da comissão de praxe - "não se pode considerar de insignificante, tendo em conta a zona atingida, bem como as nefastas consequências que provocaram ao nível da saúde psíquica e até física (de Ana), atenta a reconhecida transmissibilidade de doenças contagiosas através do contacto com excrementos de animais doentes".

No acórdão, os magistrados referem que os factos praticados "demonstram, de forma óbvia, um motivo torpe ou fútil na motivação da actuação dos arguidos, o qual, avaliado segundo concepções éticas e morais da comunidade, deve ser considerado repulsivo, baixo, gratuito, de modo que o facto surge como produto de um profundo desprezo pelo valor da vida humana".

Segundo os juízes-desembargadores, os actos impostos pela comissão de praxe e por um veterano são "da exclusiva responsabilidade destes" e "vão para além do mínimo ético socialmente tolerável, mormente entre aqueles, como é o caso, se inserem numa comunidade académica" e onde "se exige uma postura ética tolerável" que "não existiu" e que "era exigível aos arguidos", tendo em conta que frequentavam os últimos anos do curso.

in Jornal de Notícias


Outras notícias:

O Mirante
Diário de Notícias
Canal UP
Esquerda.net


O que o MATA já postou sobre este caso:

http://blogdomata.blogspot.com/2008/05/depois-disto-h-mais-para-mudar.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/03/questo-de-fezes.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/02/veteranos-membros-das-comisses-de-praxe.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/02/o-mata-reconta-ou-ser-interpreta-o-que.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/02/praxes-violentas-em-santarm-julgamento.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/02/julgamento-da-ana-santos-pgina-inteira.html
http://blogdomata.blogspot.com/2008/02/5-anos-depois.html

5 comentários:

Anónimo disse...

Ninguém vos liga puto, ou serão vocês fascistas o suficiente para filtrar comentários?

Anónimo disse...

Haha! Eu vi logo.

"..blog está aberto à participação de todos os que o quiserem fazer..". À brava.

Bem hajam e curtam lá a vossa azia.

ser.r.alves disse...

Fazes dois comentários e a tua participação no blog é isto??
Não passas das 39 palavras e não conseguiste usar a palavra praxe, tradição académica, ou algo relacionado com o assunto que trata este blog.
Como já disse num outro comentário, num outro post (http://blogdomata.blogspot.com/2009/03/eu-confiei-no-bom-senso-de-quem-me.html), aconteceu uma única vez "censurarmos" um comentário. O seu conteúdo consistia unicamente na ofensa directa a uma pessoa (um comentário pequenino como o teu). Como deves ter verificado, os comentários são publicados automaticamente, logo, apenas pudemos apagar aquele depois de ser publicado.

Não me parece que seja preciso ser fascista para se apagar um comentário de um blog que se gere. É um bocado antagónico pois parece-me que a natureza do blog é que se comente o que se publica. Logo, censurá-lo não faz muito sentido.

É mais fascista quem se aproveita de uma condição de superioridade, como os veteranos de uma universidade (pois já se conhecem entre si e conhecem a universidade), para submeter à sua vontade arbitrária os que partem de uma posição de inferioridade, os caloiros não se conhecem entre si nem a universidade.

No entanto, eu não sou não leviano a apelidar alguém de fascista. Para mim alguém que praxa é alguém muito pobre de espírito e até, por vezes, covarde.

Anónimo disse...

por acaso é engraçado, há aquela visão que procura a contradição fácil de que "se filtram os comentários são fascistas, logo são iguais ao que afirmam combater"

um bocadinho de cérebro nunca fez mal a ninguém....

Fred disse...

Mais uma vez... os "fascistas" interrogam-se: será que os adeptos das praxes são TÃO cobardes que até atrás do ecrã dum monitor tenham de se ficar como anónimos em vez de assinarem com o próprio nome?

E que tal se crescessem um par?