quarta-feira, 3 de junho de 2009

Con-tradições

Esta notícia é do Correio da Manhã e, como o jornal que é, procura o sensacionalismo moralista e, neste caso apareceu-lhe o "strippers-lésbicas-queima das fitas-estudantes do superior".
Não me importa se elas ficam nuas e praticam sexo em cima do balcão onde se servem as bebidas. (Preocupa-me saber se elas vendem o corpo por uma determinada condição social e não porque o querem fazer, mas isso é outra questão). A hipócrita e contraditória moral católica sempre me irritou e não a pratico.

Gostava então de salientar duas coisas que se percebem a partir das declarações de um dos membros da associação de estudantes do ISEP.
Primeiro: Um evento torna-se tradição quando acontece pelo menos dois anos de seguida.

Segundo: A gritante contradição entre 'é do conhecimento público a existência da tradição' e 'só não sabe dela quem não vai à Queima'.


Ambas demonstram a falta de argumentos que existe entre aqueles que, com responsabilidades no ensino superior, se sentem obrigados a justificar determinados acontecimentos que se dão em actividades por eles organizados e, portanto, por eles permitidos. Na primeira, recorre-se ao já tradicional (ironia, ironia...) argumento da tradição. Tudo é tradição, mesmo que não o seja. E assim, está tudo automaticamente justificado (pelo menos assim se quer crêer...). O que acontece na praxe, na queima das fitas, nas latadas, nos tribunais do caloiro,... é tradição e ponto final parágrafo! Não há mais espaço para contra-argumentar, para pensar. Se der para o torto, 'é responsabilidade dos estudantes', como salienta este membro associativo. A responsabilidade nunca é de quem organiza os acontecimentos onde se dão as barbaridades (e, obviamente, não me refiro a um show de strippers). Apesar desses acontecimentos permiterem todos os excessos.

Na segunda, não há muito a dizer. A associação ilógica de premissas opostas demonstra o desfasado que o rapaz está da realidade. Aliás, a realidade dele reduz-se muito provavelmente a pouco mais do que a "tradição académica".


“Contratar strippers para a Queima é uma tradição” (14 Maio 2009)
Contratar strippers para a Queima das Fitas do Porto é já uma tradição de alguns anos dos alunos de Engenharia Mecânica do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).
Contactada pelo CM, a Associação Académica confirma ter conhecimento do show lésbico a que dezenas de alunos assistiram na passada quinta-feira.
'Contratar strippers para a Queima tornou-se já uma tradição, é já um costume acontecer. Sei que, pelo menos desde 2007, isto tem vindo a acontecer', explicou César Santos, membro da associação de estudantes. Embora inicialmente tenha começado por imputar a responsabilidade à Federação Académica do Porto (FAP), o estudante acabou por admitir que há fortes probabilidades de que esta não tenha conhecimento do sucedido. 'A FAP não tem controlo sobre o que se passa nas barracas, isso é responsabilidade dos estudantes,' afirmou.
No entanto, César Santos garante que 'é do conhecimento público a existência da tradição' e que 'só não sabe dela quem não vai à Queima'.

10 comentários:

Anónimo disse...

fds lol, cambada de meninos!!

menos choro filhos da puta!

Pedro disse...

e o que é que isto tem que ver com praxe?lol

ser.r.alves disse...

Como deves ter reparado estás no blog do Movimento Anti "Tradição Académica", e não num blog anti-praxe. Mas se és tão obtuso que não o conseguiste perceber fica aqui o esclarecimento.

André ISLA disse...

para o caso de ainda nao se terem apercebido, o facto de serem contratadas strippers para uma barraca da queima das fitas nada tem a ver com praxe. o unico objectivo desta atitude, na minha opiniao, (tambem membro de uma AE de faculdade) foi unica e exclusivamente, chamar clientes para consumirem na dita barraca. se este site tem a a ver com tradiçoes academicas, entao nao percebo o k faz aqui este artigo, visto que a actividade comercial da queima das fitas, e como cada AE promove cada barraca, nada tem a ver com praxe, ou como voces, enquanto membros do MATA dizem, nada tem a ver com tradiçao academica.
e para ficar ja exclarecido, a Queima das Fitas nao se resume a uma semana de noite num unico local. a Queima das Fitas, para os menos entendidos, é um ritual que se realiza desde á muitos anos (tradiçao), onde engloba uma serie de actividades durante o dia tipo, cortejo, serenata entre outras.
isto sim voces deviam falar, ou denegrir, nao algo k apenas de comercial aconteceu.

ser.r.alves disse...

Eu gostaria de pedir a quem viesse aqui comentar os posts que fazemos que tivesse a dignidade de primeiro os ler até ao fim. Dos três comentários aqui postados nenhum se refere ao que o MATA diz sobre a notícia. Os dois primeiros comentários são completamente esquizóides e devem ser ignorados. O último comentário é de difícil interpretação mas revela que quem o fez não leu o post.

Assim, no post, a alusão à notícia não tem a ver com a excentricidade de se contratarem strippers para uma actividade, seja ela qual for, mas neste caso relacionada com a Queima das Fitas. Aliás, a segunda frase do post daria para fazer essa interpretação - «Não me importa se elas ficam nuas e praticam sexo em cima do balcão onde se servem as bebidas.» - mas para quem não percebesse, a leitura do resto do post (que até nem é muito grande, portanto não custava muito ler até ao fim) daria para perceber isto.

De facto, como é revelado ao longo do post, o que importa na notícia são os comentários daquele elemento associativo que revelam um comportamento a que nós, no MATA, assistimos recorrentemente durante as distribuições que fazemos, debates em que participamos, notícias que recolhemos, fóruns universitários que frequentamos... Tudo se pode transformar automaticamente numa tradição (mesmo que só aconteça pela 3ª vez consecutiva) e como tal é auto-justificado. Se se é confrontado com o resultado de determinado evento, os responsáveis por organizar esse evento descartam a sua responsabilidade para terceiros.
Nesta notícia não é revelado nada de especial mas, pelo sim pelo não, o membro associativo entrevistado, acaba por atribuir a responsabilidade à entidade indefinida que, neste caso, são os estudantes. Na realidade nunca se viu algum destes membros associativos, com responsabilidades bastante claras na organização destes eventos "tradicionais" assumirem claramente a sua responsabilidade pelo que nesses eventos acontece. Este comportamento é frequente quando nas praxes acontece alguma coisa com mais gravidade e é notícia.

Enfim, serão "bons" governantes sem dúvida nenhuma!...

edgar murphy santos disse...

Apoio o Mata totalmente ..... eu sou estudante universitario, e nao quero que quando falem de mim, me classifiquem com mais um que tem esses tipos de comportamentos.

e a Queima das fitas é um tradição pós fundação da Universidade ... Não foi essencial a nenhum das grandes mentes da humanidade assim como as bebedeiras praxes etc......

Anónimo disse...

Contratamos stripper´s e compramos ganza na sede do Berloque de esquerda! Cambada de hipócritas!!!!!

ser.r.alves disse...

Mais um que não sabe ler... e, claro, muito menos contra-argumentar.
De vez em quando aparecem uns assim...
Ah, sim, claro! E havendo falta de argumentos usam-se os estereótipos para tentar diminuir a credibilidade dos outros.
Enfim, infelizmente já estamos habituados.

Roberto Soares disse...

Eu achei ofensivo o teu comentário sobre a moral católica.

Eu sou católico apostólico romano praticante. Algum problema? Se possuir, avise que vamos ao tribunal resolver.

ser.r.alves disse...

Sim, tenho um problema com os dogmas castradores da liberdade e igualdade entre os seres humanos. A moral da igreja católica é bastante baseada no preconceito e na fantasia de que detém a razão suprema, logo irrita-me solenemente.
E por enquanto sou livre de dizer esta opinião sem ter de ir a tribunal, apesar de talvez não ser do seu agrado, Roberto.